O Canto Dos Nostálgicos

O Canto Dos Nostálgicos

Hoje vos trago o segundo presente este Natal em forma de passeio fotográfico-nostálgico. Na semana passada abrimos o primeiro presente, que era um passeio por todos os níveis do primeiro Donkey Kong Country do Super Nintendo. Como sempre digo, antes de começar (já é quase um ritual), espero que gostem muito do post e eu consiga tirar muitas pequenas coisas agradáveis de seus subconscientes, e vos façam esboçar um sorriso.

O curso incluirá os 24 circuitos oficiais do jogo (pistas de corrida mais a batalha especial), os combates contra os chefes finais (importantíssimo neste jogo) e um pequeno passeio pelo mundo central. Uma vez dito isso…vamos começar! O primeiro circuito de Diddy Kong Racing, ele tem o caminho mais curto e simples, que nos servirá de prática para dominar os controles essenciais do jogo.

Uma reta longa (onde está a linha de chegada) e diferentes curvas muito abertas (que formam um número três invertido), definiremos este primeiro circuito. Um sol de justiça iluminará toda a pista. Trata-Se de uma estrada asfaltada, de cor cinza, limitada a ambos os lados por duas paredes que forma grandes falésias que configuram uma ambientação bastante rochosa, esfolada e íngreme (como se fosse o grande Canyon do Colorado).

  • 1 Fachada de Santa Maria
  • 5 Elementos decorativos
  • Casa com oficina, avenue de la Chasse, 141 em Etterbeek (1912)
  • Parque Da Liberdade, Desamparados
  • Rádio Manancial (99.7 MHz)
  • 2 2.1 Caracterização Da luz

Estas montanhas rochosas de cor marrom são muito bonitas e geram uma verdadeira atração. Desta forma, os penhascos criam umas paredes que impedem o crescimento da paisagem ao longo da largura, dando o circuito e impedindo a ver o que existe além das montanhas, dando a impressão de que está tudo muito junto.

no entanto, isto permite trabalhar melhor o nível de detalhe de tudo o que rodeia o caminho, assim como a harmonia de cores. A primeira parte do circuito é mais pré-histórica, deixado ao lado do caminho muitas pedras gigantes esculpidas. Passar por debaixo de uma ponte de pedra, encostado a uma montanha, e assim chegamos à segunda parte do circuito que é um enorme lago.

A estrada romperá o lago em duas. Toda a margem do lago é de areia, com alguns peixes para os arredores e árvores. Um enorme dinossauro verde estará passeando pela zona disposto a cruzar a estrada e irritar os corredores, bloqueándoles o passo e empurrando-os para a água. Um Kart na água perde muita velocidade, até que volte para a margem.

apesar da cara bem-humorado e simpático, o dinossauro pode nos fazer perder a corrida (lembre-se que a linha de chegada estava depois de atravessar o lago). Menos mal que dispomos de dois turbos de velocidade para poder recuperar tempos perdidos. O segundo circuito do jogo mantém algumas das características ambientativas do primeiro, já que a estrada estará rodeada de duas grandes paredes de pedra que desenham um grande canhão. O traçado não é muito complicado, já que combina retas longas e curtas, com curvas (algumas um pouco mais fechadas que no circuito anterior).

De fato, é como se estivéssemos visitando a silhueta de um número 1 com volume. Na primeira parte da trilha encontramos algumas pedras gigantes com formas muito curiosas (da copa), que lembram muito a Cidade Encantada de Bacia hidrográfica. Também há um enorme dinossauro verde como no circuito anterior disposto a bloquear a estrada.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: