Em Busca Do “Gosto”

Em Busca Do “Gosto”

Atrás ficaram as campanhas de publicidade em que uma vez criados os originais e planejados os meios clássicos, um tirava para dormir. Agora, boa parte das campanhas são desenvolvidas online, com inúmeras patas em forma de redes sociais, hashtags, páginas web, vídeos com conteúdo relacionado e uma longa lista de itens que exigem novas estratégias.

Para Guiomar Díaz, digital brand director de Dommo, as redes sociais são o ponto de ruptura entre a publicidade tradicional e o mundo digital. “Podemos saber quem está vendo o nosso anúncio, quem interage com ele e o que tem interesses. Em nenhum outro momento da história as marcas são capazes de impactar seu público-alvo com mensagens tão personalizados, como agora”, garante. De fato, a grande obsessão do profissional é escolher o canal mais adequado.

] e os usos das redes foram se modificando nos últimos anos, pelo que é necessário atualizar constantemente o que está acontecendo em cada uma”. Um estudo da Global Web Index as segmenta em função da idade do usuário. Assim, o Facebook é a rede mais utilizada pelos espanhóis entre os 45 e os 54 anos, enquanto o Twitter rainha a partir dos 35 e Instagram e Tumblr são as mais usadas pelos mais jovens. Quanto à afinidade por setores, João Luis e Fernando Polo, fundadores de Território Criativo, citam o Twitter como plataforma-chave no atendimento ao cliente, serviços bancários, serviços ou oferta teles. ] os que melhor funcionam são o LinkedIn e Twitter.

Na moda são chaves Instagram e Pinterest”. Facebook, com 17 milhões de usuários em nosso país, continua sendo a primeira escolha para a maioria de campanhas em mídias sociais. De fato, “algumas marcas já equacionam o alcance desta ferramenta ao de outros meios, como a televisão, estabelecendo indicadores comuns”, assegura Antonio Guerreiro, head of social media da Proximity Barcelona. Ela avalia que permita escolher a quem queremos fazer chegar um conteúdo, em função de critérios sociodemográficos e de acordo com seus interesses declarados ou inferidas. Mas não se trata apenas de pagar por destacar conteúdos, o grande desafio é conseguir “meios de fidelidade”, é dizer, que os que influenciam as redes sejam aqueles que divulgam nossos conteúdos.

  • A Porta do Losal: Arco mudéjar do século xiv
  • 7 – Não continue a quem não te segue
  • Maïder Tomasena 14/11/2014 Que bom Gala, alegro-me muito 😉
  • Elabora uma biografia e perfil perfeito
  • A natureza de seus produtos ou serviços
  • Capacidades centrais

Isto ocorre principalmente no Twitter e no YouTube. Os famosos youtubersson as novas celebridades, “movem massas, têm fãs à espera de seu próximo lançamento”, indica Anna Rocha, head of digital planning de Hub BBDO Portugal. “Têm o poder e as marcas também querem estar com eles. Mas são espíritos livres, eles decidem de que falam, como dizem, e se querem ou não trabalhar com uma marca.

Se devem aos seus assinantes, acima de qualquer marca”, afirma Rocha. “O grande objetivo é a hora de investir nas redes sociais é fazer com que a gente fale de nós ou use o nosso conteúdo para gerar conversas. Estes meios de fidelidade geram credibilidade e autenticidade”, opina Mauro Fontes, diretor de Social@Ogilvy. Instagram, ao menos no momento, está livre de publicidade, mas calcula-se que em um ano, começa a tirar o desempenho econômico.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: