Plantas Na Decoração De Interiores

Plantas Na Decoração De Interiores

O interior de uma casa costuma precisar de plantas para dar uma certa vitalidade ao ambiente. Muitos estudos foram realizados sobre elas e seus efeitos psicológicos sobre as pessoas que decoram suas casas com elas. Além de favorecer a renovação do ar, as plantas tendem a elevar o espírito lúdico das pessoas. Não obstante, nem todas as espécies podem suportar um crescimento e desenvolvimento no interior do lar. A seguir, uma lista das plantas mais utilizadas e comuns para interiores. Costela de adão: é uma planta muito comum, com muito verde e de fácil cuidado.

Suporta lugares escuros e cantos, requer pouca água. Schefflera: uma planta frondosa que pode crescer muito e tomar grande altura quando a transplantar a terra firme. Sua combinação de verde com amarelo pode servir de muito para a decoração de ambientes monótonas. É trepadeira: Uma típica planta de folhas verdes fruto alongado sem pescoço que subir por sutiãs que um coloque.

É ideal para espaços mais reduzidos. Fittonia: uma planta com cores que lembram o dólar norte-americano. Costuma ser pequena e agradável à vista. Evitar que as folhas se arruguen por falta de água, requer maior cuidado e irrigação constante. Samambaia botão e samambaia espada: Dois tipos de samambaias que nunca faltam nas estações de trabalho, mesas baixas e pequenos jogos. Medinilla: planta ideal para aquelas pessoas que gostam de ter flores em seu interior.

  • 2 de fevereiro de 2011 @André, onde você leu que não é assim
  • 7 Outras bactérias
  • Coro e trascoro
  • 4 Focos como minimacetas

], cada um com características muito particulares. Além destas festividades, cada povo tem suas próprias festas dedicadas aos padroeiros. Assim mesmo ano, a cidade de Puebla, organiza uma das feiras mais importantes do país comemorativa da Batalha de Puebla, realizada em 5 de maio.

No território que atualmente ocupa o território do estado habitaram vários povos desde a época pré-colombiana. Os testemunhos de sua presença fazem parte do património cultural dos poblanos, e são protegidos, tanto por autoridades locais, como o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH). Em Puebla, existem vários sítios arqueológicos, embora só alguns estão abertos à visitação do público.

O estado de Puebla possui um rico patrimônio arquitetônico, que vai desde a Grande Pirâmide de Cholula até os modernos arranha-céus que serão construídos na atualidade na capital do estado. A época da cristianização dos indígenas produziu numerosas construções religiosas nas localidades da província poblana.

Entre estas há que assinalar os conventos de Tecali, Tecamachalco, Texmelucan e o Cholula. Alguns dos conventos poblanos fazem parte do conjunto de mosteiros franciscanos das saias do Popocatépetl, que foram declarados Patrimônio da Humanidade no ano de 1994. Trata-Se dos conventos de Calpan, Huejotzingo e Tochimilco.

O convento de San Gabriel é um dos mais antigos do México, foi construído no ano de 1549 sobre as ruínas do templo de Quetzalcoatl. Anos depois, em fevereiro de 1553, é consagrado por Martín de Hojacastro, o terceiro Bispo de Puebla. O convento possui um estilo arquitetônico neoclássico, formado pelas capelas, a barda atrial, o templo, o átrio, o claustro, a Capela naturais e a capela da Ordem Terceira.

As ameias, que lhe dão um ar de fortificação, são típicas destes primeiros conventos. Está localizado no centro de San Pedro Cholula e no seu interior podem-se ver alguns afrescos realizados desde a época de sua construção, assim como as pinturas da estrada de São Francisco de Assis. Na antiga Portaria do convento, encontra-se uma pequena galeria de Arte Sacra, onde se exibem alguns exemplares que a resguarda, bem como objetos religiosos e artísticos que complementam a mostra. 4, entre a Avenida Morelos e 4 oriente Col.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: