Arquitetura Do Barroco

Arquitetura Do Barroco

O termo Barroco, derivado do português “barru”, “pérola de forma diferente ou irregular”, será utilizado, em um primeiro momento, de forma depreciativa, para indicar a falta de regularidade e ordem do novo estilo. A principal característica da arquitetura barroca foi a utilização de composições baseadas em pontos, curvas, elipses e espirais, assim como figuras policéntricas complexas compostas de motivos que se intersecaban uns com os outros.

A arquitetura valeu a pintura, a escultura e os estuques para criar conjuntos artísticos teatrais e exuberantes que servissem para celebrar os monarcas, que havia encarregado. Em alguns países europeus, como a França e a Inglaterra e em outras regiões da Europa do norte houve um movimento mais racionalista derivado diretamente do Renascimento que se denominou Classicismo barroco. Contrariamente às teorias segundo as quais o movimento barroco surgiu a partir do renascimento e Maneirismo, foi o Renascimento tardio o movimento que acabou desencadeando em último termo o Barroco.

  • Decorações do Salão de Laranja do Palácio Real Huis ten Bosch, A For
  • 3 Outros personagens ligados a Alhambra
  • 5 – Gibb’s Farm, Karatu, Tanzânia
  • 2 Sucesso comercial
  • 2 Produtos 2.1 Subsidiárias

De fato, a arquitetura maneirista não foi suficientemente revolucionária para evoluir radicalmente, em um sentido espacial, e não apenas na superfície do mar, a partir dos estilos antigos para os novos fins populares e retóricos da época do contrarreformismo. O novo estilo se desenvolveu em Roma, e atingiu o seu auge entre 1630 e 1670; a partir de então, o Barroco se estendeu pelo resto da Itália e da Europa. A influência do Barroco não se limitou ao século XVII; a princípios do século XVIII, desenvolveu-se o estilo denominado Rococó, que não sendo uma mera continuação do primeiro pode ser considerado como a última fase do Barroco.

Em 1585, o Papa Sisto V iniciou as obras para a transformação urbana de Roma, que carrega a Domenico Fontana a ligação entre os edifícios religiosos da cidade por meio de grandes eixos viários retilíneos. O projeto, que se baseava na ratificação de Roma como cidade santa, estabeleceu o precedente para as intervenções que teriam de levar a cabo em várias cidades europeias.

a planificação centralizada da cidade ideal renascentista, contrapõe-se a visão da cidade capital barroca, mais dinâmica e aberta aos seus próprios limites, e ao mesmo tempo ponto de referência para todo o território. Durante o Renascimento, a cidade encontrava-se trancada em si mesma, de forma física e sensível, já que o habitar limitava-se, quase que exclusivamente, para o que acontecia dentro das muralhas. Em uma escala menor, os espaços públicos eram pouco comuns e os espaços privados e comuns. O processo de urbanização do Barroco foi o motor da configuração da cidade como um todo.

Assim, a cidade começa a fazer parte da paisagem e assume o mesmo. O exterior se integra ao interior como um membro a mais do espaço. O que antes era uma planta fechada agora se “abre” para produzir uma vinculação entre o artificial e o natural, provocando pontos de encontro entre o mundo da cidade e o mundo natural, do jardim e da paisagem.

A catedral ( sé do bispo ) representa um importante marco dentro da história das cidades novohispanas. Na metade do século XVII, o desenvolvimento de uma técnica decorativa que incide diretamente em favor dos propósitos que formou a sensibilidade do barroco: As peças. Entre as igrejas, o ponto de partida da arquitetura barroca pode ser considerada a Igreja do Gesù em Roma, construída a partir de 1568 o projeto de Jacopo Vignola.

Uma chies dovrà essere riguardo alla pianta in forma di croce in accordo com a tradizione; piante circolari se usavano ai tempi degli idoli pagani e raramente per le chiese cristiane. Por outro lado, a presença de uma cúpula, sublinhou a centralidade do espaço no fundo da nave, e prenunciava a busca de uma integração entre o esquema longitudinal e centralizado. Também a fachada, construída de acordo com o projeto de Giacomo della Porta, antecipou os elementos mais marcadamente barrocos, comparáveis aos dos alçados de Santa Susana e San Andrés del Valle.

Na arquitetura civil do momento, pode-se distinguir entre dois tipos de construções nobres: o palácio, localizado geralmente no interior da cidade, e a villa do campo. O palácio italiano e seus derivados europeus permaneceram fiéis à tipologia residencial desenvolvida durante o Renascimento, com um corpo edificado fechado em torno de um pátio interno. Se dotou as fachadas principais de corpos centrais destacados e decorados com o uso de comandos gigantes, que já haviam sido antecipadas por Palladio. Na França, não obstante, o palácio urbano da nobreza, denominado hôtel, recuperou para si o esquema dos castelos medievais.

O clima mais rígido reclamava uma otimização do soleamiento nas principais estâncias, o que gerou fachadas de patamares e grandes asas laterais. O corpo principal encontrava-se atrasado em relação à rua e precedido da cour d’honneur, um espaço de transição aberto para o exterior, que, ao mesmo tempo, separava o palácio da cidade.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: