A Pequena Sala De Paragens

A Pequena Sala De Paragens

Em pleno centro de Paradas, junto ao conselho Municipal da cidade, há uma casa que, à primeira vista, parece mais uma. Mas quando o visitante atravessa a soleira de suas portas, fica claro que o número 8 da rua Longa é um canto que deixa vestígios. Trata-Se de “Carmen dos Arrayanes”, uma impressionante casa de estilo medieval.

O auge do sonho de José Luis Romero Núñez, um paradeño que passou doze anos de sua vida a transformar a sua casa com a arquitetura de maior esplendor da Granada nazarena. José Luís, que vive em casa com sua família, concluiu as obras no ano de 2005, após doze de trabalho incansável com os artesãos e os pedreiros que seguiram seus próprios projetos.

Pois o Alecrim é um apaixonado pela cultura medieval, como mostra a pequena biblioteca que guarda os livros que você usou para aprender, de forma autodidata, tudo o que é relacionado com a arquitetura. “Aqui eu tenho livros que não são vendidos para o grande público”, afirma, já que são destinados a um âmbito mais profissional. Um trabalho de pesquisa muito consciente e detalhista que se mudou para a construção desta casa, onde nada é deixado ao acaso.

“99 por cento dos materiais provêm de Granada”, diz José Luis, que conhece muito bem essa terra, já que tem viajado 143 vezes para visitar a Alhambra, a principal referência na hora de reconstruir sua casa. Porque há que insistir que o “Carmen dos Arrayanes” é a casa de José Luis e sua família. “Carmen dos Arrayanes” também se tornou um dos maiores atrativos turísticos de Paradas, juntamente com o quadro de El Greco da paróquia de Santo Eutrópio. E, para José Luis Romero, a conclusão do único presente que foi dado na vida. “Na minha casa não temos feito outra coisa do que trabalhar diariamente. Mas tínhamos a ilusão de poder fazer algo medieval”. O resultado fica para a história.

Desde então, ambas as villas foram escavadas com critérios cada vez mais cientistas e não como meros baús de tesouros, revelando inúmeros edifícios intactos, assim como pinturas murais. Realmente, a descoberta teve lugar no ano de 1550, quando o arquiteto Fontana estava escavando um novo curso para o rio Sarno. Mas tivemos que esperar cerca de 150 anos antes de se iniciar uma primeira campanha para desenterrar as cidades.

  • 4 Ásia 3.7.4.1 China
  • O primeiro cara a cara de Rivera e Igrejas será no próximo domingo A Sexta
  • 1 Habbo 6.1.1 Wireds
  • 1 Prémio Nacional de Jornalismo Simón Bolívar
  • Dia dos namorados (14 de fevereiro)
  • 30 Water Street, Nova Iorque (EUA)

Até essa data, assumiu-se que a Pompeia e Herculano haviam se perdido para sempre. Foi sustentado pela teoria (sem demonstrar) que a Fonte inicialmente encontrou alguns dos famosos frescos eróticos e, escandalizar por causa da rígida moral reinante em sua época, os enterrou de novo em uma tentativa de censura arqueológica. Escavadores posteriores consolidaram seus relatórios que os lugares em que estavam trabalhando haviam sido desenterrados e enterrados novamente anteriormente. O fórum, as casas, muitas casas e algumas villas permaneceram em um surpreendente bom estado de conservação.

a uma curta distância da cidade se descobriu um albergue de 1000 m2 que hoje em dia se conhece como “Grande Hotel Murecino”. Durante as escavações, ocasionalmente, eram encontrados buracos na cinza que tinham conteúdo restos humanos. Em 1860, o arqueólogo italiano Giuseppe Fiorelli sugeriu preencher estas lacunas com gesso, obtendo assim moldes que mostravam com grande precisão o último momento de vida dos cidadãos que não puderam escapar para a erupção. Em alguns deles, a expressão de terror é claramente visível.

Outros disputam em cobrir a boca ou a de seus entes queridos com um lenço ou vestidos tentando não inalar os gases tóxicos, e algum homem se agarra com força a suas jóias e economias. Também não falta quem preferiu poupar o tormento tirando a vida, conservando seu corpo junto a pequenas garrafas que continham veneno.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: