Ana, Ana, o que Sentiria Por ele?

Ana, Ana, o que Sentiria Por ele?

Hoje encerrei uma etapa da minha vida, a sétima, e com este bate com a porta eu pego meus dedos. Ainda, sobre esta cama,giram planetas e satélites alguns cheiros úmidos e sedentos. Formou-Se sobre mim uma nuvem interestelar de dor ambíguo.Preciso de tempo para reorganizar o caos que flutua sobre a minha.

Estou exausta. Pensei contemplar estrelas enquanto hoje descubro que só foram buracos negros que me devoram por dentro,como um câncer. Na minha evolução eu me tornei pulsar, repleta de nêutrons e vísceras.E eu continuo girando,enquanto eu me enjôo:Estrela canibal,esse é o meu nome. Stella vai tomando consciência e abre os olhos. Seu corpo nu, mas o vestido do cheiro do sexo.

Cada poro vai despertandola.Em sua cama pendem pedaços de ansiedade e desejo.Partes que a levam a sua paraiso devastado.E descobre que já não é só sexo o que enche seu enorme furo interno. Sua necessidade de amar,mais do que em entrega se traduz na posse. E hoje tem despertado única. Outra vez. E prepara a banheira. Precisa de limar odores para sempre, deixar que toda a dor de sair pelo ralo. Já estou preparada.Eu quero voltar para o céu. E apesar de a temperatura da água, Stella se deixa flutuar,como fazem as ninfas.As pastilhas de Orfidal a limpo por dentro. Com o sabor de nada.

Stella desaparece,como muitas outras estrelas devoradas por buracos negros. Para vários dias, que eu sempre parava no mesmo bar, eu gostava da gente que estava por lá, e o garçom me animado. Sua calça jeans eu ficava muito tesão. Eu olho, mas seu olhar-lhe para parecer algo ambíguo. Eu acho que sabia o que pensava, mas não queria ponermelo muito difícil. Nesse momento apareceu a sua amiga e se aproximou do meu. Eu estava tão excitado que não me dei conta até que estava acima da minha, com duas cervejas, sentou-se ao meu lado. O garçom não parava de olhar.

Ela se aproximava cada vez mais para o meu, o meu vestido deixava ver meus mamilos. Começou a me acariciar as pernas e nas costas: Enfiou a mão pelo decote traseiro e me acaricio o sexo, eu estava completamente molhada. Eu olhava para o garçom que agora se esfregava contra a barra e nos olhava, ela introduziu seu dedo, e eu estava prestes a cum. E no meio do tédio, apareceu Eva, como uma flor em plena tundra, como um sonho inesperado no fim da noite. Sua nudez lhe perturbou-se, e, a princípio, pensou que, sem dúvida alguma, o sonho se desvanecería, ou lhe saciaría como tantas outras vezes.

o Seu corpo se estendia como um ambíguo oceano, já que, se movendo de um lado para o outro, meciéndome entre suas pernas fortes, entre os seus seios firmes, banhada de espuma e suor salitroso. Eu sussurrava obscenidades . Suas posições eram harmoniosas, premeditadas, autómaticas. Eu só queria dizer-lhe que a queria. Simplesmente isso: a queria.

  • Um pouco de ética
  • 4 Caquetíos do Oriente
  • Não há amor
  • Tejay van Garderen (USA/BMC Racing), às 0:09
  • Por Pagam Lee

Mas sabia que era impossível. Enquanto eu me masturbava gemendo bem, fingindo que aquela animado, dirigi meu olhar por um instante a câmera, enquanto o realizador, comiéndose impassível, um lanche, lançava um olhar sobre o roteiro do filme. Hoje a vi ao me levantar da cama. Como Me disse mais para ela.

Estava nu, o mesmo que ontem à noite, quando , em um frenesi apaixonado de amor, juntos, esbarrando nos picos mais altos. E sim entanto, sem saber porque, tudo me parecia irreal, ambíguo, anacrônico. Frio e calor. Essa era a sensação. E o microcosmo em que se movia e não permitia parar para analisar sensações ou sentimentos.

no entanto, ele costumava apreender o espírito a lembrança dos encontros roubados. Sentava-Se no seu posto. Colocava todos os seus sentidos em desenvolver o seu trabalho com eficiência, dele dependiam muitas vidas. Mas não pôde evitar a lembrança. Começava por um leve arrepio ao final de costas e continuava com a clássica carne de galinha nos braços. Prosseguia com uma micro descarga elétrica que subia pela coluna e remataba com uma sensação de erizamiento do cabelo da base da nuca. E tudo o cruzamento ocorrido momentos antes no corredor. Não podia evitá-lo. O estado havia desenhado os uniformes do exército, de maneira que não se distinguiese entre homem e mulher.

Era, por assim dizer, um ser assexuado. Mas não ambíguo. Não por menos. E em um submarino, onde o espaço é muito estreito, de cada vez que cruzava com o soldado e lhe oferecia a sua volta ao atrito ficava impregnada da sensação física da diferença. Os seios dela lhe apontam para um caminho de sensações que lhe deixavam impressão durante alguns minutos maravilhosos.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: