Primeira Tipografia No México

Primeira Tipografia No México

A imprensa no México foi fundada em 1539, a cargo do impressor italiano Giovanni Pauli (Juan Pablos) na filial mexicana da imprensa de Juan Cromberger na cidade de Tenochtitlán. Esta ideia surge na mente de Frei João de Zumárraga, já que em sua chegada à Nova Espanha (1528) ele se deu conta da necessidade de uma oficina tipográfica em o Novo Mundo.

Quem, provavelmente, o mais ilustre dos impressores da história espanhola.

Pois, todos os livros, em sua maioria destinados para a evangelização, eram importados da Europa e isso atraía maiores custos, além de atrasos no desenvolvimento intelectual e espiritual da colônia. Não há “livros” ou imprensa, na América, particularmente no México, antes do contato com a Europa. Chega a Portugal o impressor alemão Jacobo Cromberger. Quem, provavelmente, o mais ilustre dos impressores da história espanhola. Introduziu máquinas de procedência alemã, a qual constava de Prensas e Tesouras para corte de papel.

Em 1507 foi contratado pelo rei Dom Manuel de Portugal para imprimir em Lisboa, uma coleção de leis. A partir desse momento, seu filho, Juan Cromberger, ficou a cargo da sucursal espanhola. Sabe-Se que entre pai e filho conseguiram imprimir cerca de 293 livros, quase todos em língua castelhana.

  • Acesso à área de configuração da página de Facebook
  • Registado em: 17 set 2007
  • fontes
  • Hoje em dia não é fácil encontrar tempo para fazer esporte, você não acha
  • 4 Crítica e reforma
  • 25 agosto, 2013
  • Quando há apenas um único ponto de equilíbrio

Juan de Zumárraga nasceu em 1486, em Durango, foi noviço dos franciscanos reformados (OFM) no convento de Pode. Os privilégios e monopólios surgem como finalidade e necessidade de influências eclesiásticas a favor de um impressor que desse certo as problemáticas do catecismo. Devido a que a conquista colonial se deu acompanhada da conquista espiritual. Os primeiros evangelizadores se depararam com a barreira da linguagem, o que os levou a fazer a tarefa de compreender e aprender uma nova língua, com a finalidade de dar a conhecer a nova religião.

Isto também se traduziu na elaboração de dicionários e catecismos bilíngües que se foram melhorando assim que os monges franciscanos aprendiam as línguas aborígenes. Isso teria sido impossível sem o desenvolvimento e suporte de impressão. Portanto, é provável que os primeiros impressos de Juan Pablos constem de vocabulários de línguas indígenas e exposições de fé; requisitos necessários para o trabalho da evangelização.

Embora, para nosso infortúnio, esse tipo de impresso é carente de qualidade e importância fugaz para sua época, levando-os a desaparecer rapidamente do registro vivo que podemos consultar para saber mais sobre os primórdios da imprensa no México. Em 1593 Juan Cromberger chega a um acordo com o Rei e o vice-rei Antonio de Mendoza para estabelecer uma imprensa no México.

Para esta tarefa, recruta para o italiano Giovanni Pauli (Juan Pablos), que já trabalhava para ele em seu ateliê localizado na cidade de Sevilha (Espanha). Então, 12 de junho de 1539 estes dois assinaram o contrato que estipulava a subordinação de Juan Pablos para a filial americana de Cromberger.

embarcou Juan Pablos, sua esposa Gerómina Gutiérrez, o cajista e prensista Gil Barbeiro e um escravo negro chamado da perda, juntamente com todos os utensílios necessários (papel, jornal, tinta, etc.) em navio de don Diego Martín. Cromeberger decidiu não investir um capital arriscado, então, que só concedeu a soma de 500 ducados para a empresa.

os encaminhados a esta empresa se lhes entregou um material tipográfico modesto, a questão é que deu como resultado que as primeiras edições de Juan Pablos se empregassem gravados em desuso dentro da Europa. E as letrearías destinadas para a imprensa mexicana não passavam de quatro jogos góticos. Juan Pablos se comprometeu a imprimir 3000 folhas por dia sem gozo de salário, mas que depois de 10 anos, de regresso a Sevilha, cobrar uma quinta parte dos ganhos. Não Pablos teria permissão para participar em outro tipo de negócios dentro do território mexicano.

no entanto, o alcance da imprensa regida por Juan Pablos foi muito limitado em seus primeiros anos. ] Portanto, era de se esperar que os frutos tardaran em surgir dentro de terras inexploradas para este negócio. Os primeiros missionários entenderam bem que a evangelização só seria possível por meio de alfabetização ocidental, para este fim, o instrumento foram as famosas cartilhas bilíngües. Continuarão livros de ensino filosófica e teológica como Recognitio (1554), Dialectica (1554) e Physica (1557) também impressas por Juan Pablos e consideradas obras-primas da tipografia”.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: