Por Que A Ciência Nunca Vai Acabar Com A Religião

Por Que A Ciência Nunca Vai Acabar Com A Religião

As previsões indicam que haverá ainda mais religiosos. A islamização da secular da Turquia é reveladora. Ainda assim, é certo que não foi um fracasso total. Muitos países ocidentais continuam a ser testemunhas do declínio da fé e da prática religiosa. O censo mais recente publicado na Austrália, a este respeito, aponta que 30% da população identifica-se como sem religião, e que esta percentagem está a aumentar. Pesquisas internacionais confirmam os níveis comparativamente baixos de compromisso religioso na Europa ocidental e Austrália.

Mesmo nos Estados Unidos, país que coloca constantemente em apuros as teses da secularização, se registou um aumento de pessoas que não acreditam. Os cientistas, intelectuais e pesquisadores sociais esperam que a propagação da ciência moderna implique a secularização, que a ciência se torne uma força secularizadora.

Mas esse, até agora, não foi o caso. A história da ciência e da secularização se torna ainda mais fascinante quando olhamos para aquelas sociedades que reagiu contra agendas secularistas. O primeiro-ministro indiano Jawaharlal Nehru defendeu idéias seculares e científicas, e incluiu a educação científica em seu projeto de modernização. Nehru confiava em que a visão hindu de um passado védico e os sonhos muçulmanos de uma teocracia islâmica sucumbieran ao avanço histórico e inexorável da secularização.

“O tempo viaja em uma única direção”, declarou. Mas Nehru se estava enganado, tal como o demonstra o aumento do fundamentalismo hindu e islâmica. Mais ainda, a união da ciência com objetivos secularizadores produziu um efeito indesejado, e a ciência tornou-se uma vítima colateral da resistência à secularidade.

  • 3 A escolástica
  • 2 Ruptura interna do PRI
  • Na Itália usa-se de preferência Movimento não-global, ou simplesmente Il Movimento
  • Para os consumidores (variações no excedente do consumidor): perdem A e B
  • Direto: Assim vivemos a 6ª etapa
  • Busca usuários afins
  • Valverde: “Chegou em perfeitas condições”
  • clique em Editar nota

O caso da Turquia é revelador. Como a maioria dos pioneiros do nacionalismo, Mustafa Kemal Atatürk, o fundador da república turca, estava comprometido com o secularismo. Colocou a ciência, e particularmente a biologia evolucionista, em um lugar primordial do sistema de educação pública da recém-formada república. Como resultado de tudo isto, a evolução acabou associada ao programa político de Atatürk, incluindo o secularismo. Os partidos islâmicos Turquia, procurando contrariar as ideias secularizadoras dos fundadores da nação, também têm atacado os ensinamentos da evolução.

Para eles, a evolução está associada com o materialismo secular. Este sentimento, que culminou na decisão em junho passado, de eliminar a matéria sobre a evolução das salas de aula dos institutos. Em resumo, a secularização, a nível global, não é inevitável e, quando ocorre, não o faz com a ciência. Mais ainda, quando tenta utilizar a ciência para acelerar o avanço da secularidade, os resultados podem acabar prejudicando a primeira. A tese de que a ciência por causa da secularização não passa no exame empírico, e utilizar a ciência como um instrumento de secularização é uma estratégia que não funciona. Combinar ciência e secularidade é muito raro e levanta a questão de como

Historicamente, duas fontes relacionadas entre si são previamente a idéia de que a ciência desplazaría a religião. O século XIX assistiu assim mesmo, o surgimento do modelo de conflito entre a ciência e a religião. Esta é a visão segundo a qual a história pode ser entendida em termos de um conflito entre duas épocas na evolução da história do pensamento humano, o teológico e o científico. Esta afirmação vem da influente História dos conflitos de ciência e tecnologia no cristianismo (1896), de Andrew Dickson White, cujo título resume bem a teoria geral do autor.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: