Os Nativos Digitais, O Futuro Da Internet

Os Nativos Digitais, O Futuro Da Internet

os provérbios populares esconde uma inesgotável sabedoria: ‘Tudo depende do cristal com que se olha para ela’, o qual pode aplicar-se à forma como uns e outros consideram a internet e as tecnologias digitais. E essas diferenças entre a forma de pensar a tecnologia e agir frente a ela determinam comportamentos completamente diferentes.

Algo que as empresas não podem ignorar, ou que não podem contornar, dizem os especialistas e visionários da Rede. Há para aqueles que internet se resume a e-mail, jornal em formato eletrônico e a reserva de passagens de viagens de avião. Nem mais nem menos: a internet é um meio de comunicação mais.

Mas há também aqueles que consideram a web como algo mais. Como uma forma de ser e de relacionar-se integrada na sua vida quotidiana. Porque é parte do mundo em que habitas’, acrescenta. Rocha, que é diretor de Infonomía, descreve desta forma o processo de naturalização pelo qual a tecnologia é integrada no dia a dia. E este tipo de relação natural com a tecnologia é especialmente acentuada entre os jovens, o que tem levado alguns a chamá-los nativos digitais.

João Freire, professor da Universidade Da Corunha, o que explica muito graficamente. Claro está, que, entre os jovens, esse tipo de relação com a tecnologia é especialmente habitual. Novos eleitores, novos cidadãos, novos consumidores e novos clientes. Assim que o digital abre novos mercados e novos clientes. Daí a importância de tomar consciência do que se considera uma mudança de relação com o mundo através da tecnologia. Genís Rocha, que presta assessoria a gestores de topo de empresas, recorre aos nativos digitais como se fosse ‘um conto que ajuda a construir uma história e a compreender a realidade’.

  • Modelo de intervenção em crise
  • encontra-Se em pleno auge durante os anos 70-80
  • Criar um ficheiro robots.txt e verificar o seu correcto funcionamento
  • 2 Adicionar imagens
  • 2 Análise SWOT
  • Amparo Quadro. A presidente da câmara de Faro

Esta mudança de atitude perante a tecnologia deixa-se sentir, pouco a pouco. A tela do computador parece que começa a se mover ligeiramente para a televisão, segundo constatou, recentemente, um estudo realizado pela Universidade de Navarra e da Fundação Telefônica. Um 23% dos rapazes de 14 anos, mostrava sua preferência pela televisão, contra 61% que se inclinava pela internet. Um relatório de Mediascope Europe aponta que os jovens entre 16 e 24 anos consomem 10% a mais de tempo na internet do que na televisão. Esses usuários passam na web 14,7 horas por semana, divididas em 5,9 dias.

um estudo da operadora Telenor noruega indica que 60% das crianças entre 10 e 14 anos, ensina os pais a lidar com o móvel. Ismael Rocha, professor da Universitat Oberta de Catalunya, depois de constatar as mudanças que as tecnologias da comunicação, introduzem-se em nossa sociedade, é muito claro na sua mensagem: ‘ou você digitalizas, ou desapareces’.

Pena, um jovem professor que perfeitamente poderia colocar a etiqueta de nativo digital, há um argumento a favor da conversão digital: ‘Toda a sociedade deve entrar nesta revolução digital para transformar-se a si mesma’. A mesma postura mantém Genís Rocha quando recorre a uma pergunta retórica, para ilustrá-lo: ‘Vê o que acontece em sua casa quando você chegar a noite? De forma que, independentemente da validade do conceito de nativo digital para descrever de forma generalizada para os jovens atuais, os nativos são o exemplo de uma ‘tendência’, diz Rocha, que será estabelecida em poucos anos.

Enquanto isso, ia a família do exilado nicarágua Edelberto Torres, onde, por sua vez, conheceu um grupo de exilados cubanos participantes da tomada do Quartel Moncada, entre os que se encontrava Antonio Ñico López. Ñico López e Ernesto foi estabelecida uma sólida amizade. Foi precisamente Ñico quem lhe deu o apelido de “Che”, a raiz do uso permanente que Ernesto fazia essa palavra típica do dialeto do rio da prata, utilizada para convocar o outro.

As idéias de Guevara evoluiu, tornando-se muito mais comprometidas politicamente, com uma clara simpatia pelo comunismo. Na etapa tive a oportunidade de passar pelos domínios da United Fruit, convenciéndome, uma vez mais, o terrível, que são esses polvos. Jurei diante de uma imagem do velho e lamentado camarada Stalin não descansar até ver aniquilados estes polvos capitalistas.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: