O Que É A Nomofobia, Quais São As Suas Causas, Suas Consequências E Tratamentos Para Superá-Lo

O Que É A Nomofobia, Quais São As Suas Causas, Suas Consequências E Tratamentos Para Superá-Lo

Há quem diga que o telefone móvel tornou-se a nova dependência do século XXI. Seja ou não verdade, o que se é um facto é que a dependência deste pequeno dispositivo está influenciando em nossas relações sociais e familiares, e muitas vezes nem sequer somos conscientes disso.

E é que esta tecnologia é uma ferramenta tão atrativa que é muito fácil passar do uso ao abuso. Você tornou-Se o móvel em a nova dependência do século XXI? Se é verdade que a ciência não reconhece este transtorno como tal, também o é que, provavelmente, a maior parte de nós conhece alguém do seu ambiente mais próximo que há um uso excessivo do telefone.

Existem tratamentos eficazes que resolvam o problema? A resposta é sim, mas o realmente importante é estar atento aos primeiros sinais que nos indicam um uso excessivo do celular. Geralmente, nunca se ciente disso, por isso convém ter em conta os comentários que nos chegam de nosso ambiente mais próximo sobre o tempo que passamos na frente do móvel. “O tratamento psicológico da dependência ao móvel é realizado de acordo com protocolos baseados em outros vícios, sem substâncias como o vício do jogo, mas há diferenças, claro.

O tratamento se estrutura em várias fases em que se trabalha para que a pessoa aprenda a controlar sua ansiedade e mude os hábitos compulsivos relacionados com o uso do celular. Também reforça a sua auto-estima e a capacidade de manter-se presente no aqui e agora, sem ter que recorrer à tecnologia constantemente. Mantenha o software atualizado.

  1. A reabilitação básica
  2. RTVE Andaluzia: Notícias Andaluzia (em português) – (1970)
  3. 10º ⇒ Orçamento Quanto eu vou gastar
  4. Registra no livro de controle de casos (dispõe-se de um livro de actas)
  5. 2 Empoderamento e feminismo
  6. Fátima nos últimos. Ministra de Empelo e da Seguridade Social

Os dispositivos móveis precisam de atualizações de rotina que costumam incluir correções de segurança, projetados para se proteger de criminosos cibernéticos. Usar senhas seguras e complexas. Esqueça a data de seu aniversário ou o nome de seu animal de estimação, sua senha deve conter caracteres mais complexos. Cuidado por onde você navega. Procura verificar se o site que você acessou está seguro.

Para isso, verifique sempre que o endereço web começa com https://, o que indica que o site está protegido. Evite realizar operações bancárias ou compras on-line através de conexões wi-fi públicas. A razão é muito simples: eles são um alvo muito fácil para os cibercriminosos, porque, ao ser livres, sem senha.

Instale apenas aplicativos desenvolvidos por fontes confiáveis. As app costumam ser umas das vias mais utilizadas para o download de malware. Por isso, é aconselhável ir às lojas oficiais de app e não transferi-las de um web site externo. Antes de baixar nenhum aplicativo, há que verificar os comentários e as avaliações dos usuários. Além disso, é sempre aconselhável ler a política de privacidade para saber a informação a que tem acesso e se vão compartilhar os dados com terceiros.

Desde o McAfee colocam um exemplo muito concreto: se uma aplicação de jogos, por exemplo, solicita aceder ao livro de endereços, deveríamos nos perguntar por que é que precisa de aceder a essa informação. Perante a mais mínima dúvida, o melhor é não fazer o download da app. Não se esqueça de efectuar cópias de segurança periódicas.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: