O Narcisismo Adolescente Nas Redes Sociais-Lhes Afeta A Saúde Mental

O Narcisismo Adolescente Nas Redes Sociais-Lhes Afeta A Saúde Mental

Há diferentes formas de abordagem quanto ao uso que fazem das redes sociais. Há perfis direcionados para fora, que buscam, acima de tudo, a conexão com os outros. Mas há outros, mais centrados em si mesmos, onde, às vezes, o excesso de egocentrismo se faz presente em cada movimento.

Quando falamos de jovens, alguns especialistas apontam que o narcisismo adolescente repetido pode resultar em problemas mentais, e a posteriori. O rápido desenvolvimento tecnológico e o crescente número de diferentes aplicações, muitas delas de relações sociais é uma constante hoje em dia. A maioria das redes e ferramentas sociais ampliam de uma maneira ou de outra o nosso próprio foco.

No Facebook expressamos nossas opiniões, no Pinterest coletamos informações de coisas que gostamos. Também temos Linkedn onde são listadas as nossas conquistas, e a lista continua e continua. O auto-foco significa simplesmente que prestar atenção em como se sente, pensa e se age, assim como suas crenças, atitudes e traços. O auto-foco não é inerentemente mau. Particularmente nas culturas individualistas, valorizamos a nossa capacidade de ser introspetivos e autoconscientes. Queremos saber quem somos e por que fazemos o que fazemos para descobrir possíveis formas de melhorar as nossas vidas e melhorar o nosso bem-estar.

  1. 21:30.-NBA Playoffs,partido1: LAKERS-HORNETS,
  2. 8 Iniciativas de padronização
  3. Dropptc diz
  4. A câmara Municipal de Montuïri tem uma dívida de 5,9 milhões
  5. Barzelay, M. (1991). O Caso IPIA. Sevilha. Edit. Junta de Andaluzia

Infelizmente, o auto-foco intensificado pode ter efeitos negativos. E, ainda mais, quando falamos de adolescentes. Quando se concentrar excessivamente em si mesmos, o narcisismo: uma jovem entra em jogo. E se percebem qualquer mínima insatisfação, podem sentir ansiedade ou mal-estar geral, que de outra forma não teriam. Ao dirigir a atenção para estas emoções negativas, estas aumentam.

E como resultado deste auto-foco mal gerido, pode despertar diversos problemas de saúde mental, incluindo depressão, ansiedade e até mesmo o abuso do álcool. A psicóloga Pat MacDonald, autora de Narcisismo no mundo moderno considera que este comportamento é uma praga em nossa sociedade atual. E mesmo que diz respeito a milhões de jovens, considera-se que este disorder da personalidade não é coisa só de adolescentes. E é que cada vez mais pessoas, de diferentes idades, mostram esse “padrão invasivo de grandiosidade, necessidade de admiração e falta de empatia” observa MacDonald. A autora reconhece que, embora o narcisismo continua a ser um diagnóstico bastante incomum pode ser o germe de outras patologias mentais muito mais frequentes.

Para MacDonald as qualidades deste egocentrismo desmedido, se continua a aumentar nestes dias. Deixar de usar a tecnologia não é uma solução viável e menos para os jovens. Cada dia mais, as interações com outros, e as realizações em geral, estão agora ligados a diferentes usos de redes sociais e outras aplicações. A solução, portanto, parece ser o uso que lhe demos.

Ensinar os filhos a usar a tecnologia de maneiras menos centradas em si mesmas. A seguir, algumas estratégias para aprender e ensinar para os filhos. Compartilhar por definição, é dar a alguém uma parcela de tudo o que é teu para desfrutá-lo de forma conjunta. Ensinar aos jovens que, em vez de publicar só as coisas que fazem e que centram a atenção apenas em si mesmo, que aprendam a compartilhar. Desde conselhos, palavras de apoio ou de empatia devem encontrar as formas de se conectar com os outros de uma forma mais autêntica.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: