Guia Para Pequenas Empresas: Como Conseguir Crédito Sem Morrer Na Tentativa

Guia Para Pequenas Empresas: Como Conseguir Crédito Sem Morrer Na Tentativa

O financiamento para a atividade de pequenas empresas e autônomos tornou-se elemento determinante para poder pensar com realismo na recuperação da economia espanhola. Com um tecido produtivo que em 99% se concentra em micropymes e pequenas e médias empresas, a ausência de crédito deixou morrer a atividade econômica e agigantado a profundidade da crise.

A necessidade de reativar o crédito é unânime entre os agentes económicos e as instituições. E, uma vez concretizada a capitalização da banca espanhola com ajudas públicas por mais de 40.000 milhões de euros, torna-se urgente que a máquina volte a entrar em funcionamento. Empreender não é tarefa fácil, apesar de que os discursos mais otimistas apontam para as épocas de crise como de oportunidades. O pequeno empresário deve considerar, em primeiro lugar, se o seu negócio é necessário que a área onde se prevê montá-lo, se há mercado para isso.

E, em seguida deve desenvolver um “argumento sólido e contrastável” em sua defesa, acrescenta a Torre. “Chegar com ambiguidades na abordagem é garantia de ter um não de entrada por parte do banco”, adverte Celia Ferrero, vice-presidente da Federação Nacional de Organizações de Trabalhadores Autônomos (ATA). O banco não vai querer ouvir castelos no ar, mas no atual momento de crise difícil construir previsões certeras. E para combater o ceticismo do empregado bancário, o pequeno empresário deve fazer valer a sua experiência e o rigor na gestão do seu negócio. “Quer se trate de uma pequena empresa ou de uma multinacional, o banco empresta o dinheiro para os gestores”, avisam em Pymec.

A banca defende que sim concede financiamento a projetos viáveis, e é aí que o aspirante a crédito deve pôr toda a carne no assador. “Há pouco espaço e é por isso que você tem que ir ao banco, muito bem preparado, pedindo o que é certo e o que pode justificar”, apontam desde a ATA. “Há que reduzir muito o volume de dinheiro que você precisa, já vai ser explicada no projeto. A partir daí, não se devem negociar as quantidades, mas as condições. Se você precisa de 100, não basta 50”, defende Francisco de la Torre. O filtro bancário é extremamente exigente.

  • NOVAS LEGISLAÇÕES OU POLÍTICAS
  • 2 Juan Ruiz de Apodaca é nomeado vice-rei da Nova Espanha
  • Envio, a um preço único
  • As iterações e os pivôs baseiam-se em conhecimentos confirmados
  • Você pode obter algum tipo de recompensa relacionada com o projecto que se vai realizar
  • o Que me dá medo
  • 3 – Fortalece a idéia, o modelo canvas ajuda (além disso, é requisito)

você Tem que passar no exame de demonstrar perante o banco a capacidade para gerir dinheiro -o que requer uma trajetória prévia, obstáculo tanto para os empresários – e de concretizar com argumentos sólidos, a quantidade e a finalidade do crédito. “Mas se a prova for excedido com notável alto, as chances de obter financiamento são muito altas. Abre-Se, isso sim, um processo de negociação difícil, em que não há que aceitar as condições à primeira.

Não há que esquecer que a banca é um fornecedor mais, mas também não vai aceitar coisas que não entende”, avisam em Pymec. A abordagem ideal de como deve ser dirigir um pequeno empresário ou empreendedor para um banco, é claro. No entanto, a realidade das instituições financeiras é ainda muito mais adversa e a torneira do crédito, apenas começou a entreabrise. O último barómetro da associação de autônomos ATA, do mês de janeiro, mostra que 51,8% dos trabalhadores independentes que optaram por recorrer ao banco para solicitar liquidez receberam um não.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: