Gesida Pede À Saúde Acelerar A Autorização Da PrEP Para Prevenir O HIV

Gesida Pede À Saúde Acelerar A Autorização Da PrEP Para Prevenir O HIV

Grupo de Estudo, o doutor José Antonio Pérez Molina. Estes 455 pacientes preenchiam os requisitos para receber PrEP prévio ao diagnóstico do HIV, em caso de confirmar o seu seronegatividad. Aplicando a média de 57,6 por cento de candidatos que estariam dispostos a tomar PrEP se estivesse disponível de acordo com estudos anteriores, realizados, a amostra que disco a esta estratégia de prevenção se reduziria a 262 pacientes. Dado que, segundo os estudos precedentes ‘Ipergay’ e ‘Proud’, a PrEP poderia reduzir o risco de adquirir o HIV de 86 por cento, dependendo da adesão.

Esta pesquisa estima que, entre os pacientes do estudo que tivessem aceitado a PrEP, se tivesse podido evitar a infecção em 225, o que supõe mencionado o 38,2 por cento do total dos diagnosticados. Na pesquisa realizada, o 91,2% da amostra eram homens que têm sexo com homens (HSH); o 2, transexuais (TSX); 5,9 heterossexual; 0,3, usuários de drogas injetadas; e 0,5, por acidente biológico.

Entre os 549 HSH e TSX, 98 por cento não usou o preservativo de forma sistemática no sexo anal durante o último ano. O 47,4 por cento tiveram mais de 10 parceiros sexuais no último ano. 50,3 por cento apresentou alguma ITS concomitante no momento do diagnóstico. O 65,4 manteve relações sexuais desprotegidas sob o efeito de drogas recreativas. 2,6 recebeu profilaxia pós-exposição.

O número de estrangeiros que residem legalmente em Portugal registou um aumento de 2,89% em relação ao trimestre anterior à publicação de tais dados, e um 0,94% em relação aos doze meses anteriores. Nos últimos cinco anos, este número é multilicado por quatro, o que representa um assentamento em Portugal de cerca de três milhões de novos habitantes.

  • Se produza a interação professor – aluno
  • O impacto do copywriting para conseguir visitantes e leitores
  • Rosário (discussão) 07:55 de 24 de março de 2015 (UTC)
  • 1 cor como parte importante
  • Antes de publicar seu post no Facebook, compartilhe algo mais pessoal (humaniza seu perfil)
  • Cristina Martín Vega

11. Qual a percentagem representam os estrangeiros com papéis da população residente total em Portugal? 12. Quantos destes estrangeiros são cidadãos da UE? O 38,42% dos estrangeiros residentes em Portugal são nacionais de países pertencentes à Europa Comunitária. 13. De onde vem o restante? 30% são ibero-americanos, o 20,96% africanos, o 6,28% asiáticos, o 2,87% europeus de países não comunitários, o 0,44% norte-americanos e 0,04% de países da Oceania.

14. Quais são as nacionalidades têm? O grupo majoritário é o marroquino (758.174), seguido do romeno (728.580). Em seguida encontram-se os equatorianos (441.455), os colombianos (288.255), os britânicos (221.073), os chineses, os italianos, os peruanos, os búlgaros e os portugueses. Os dados são do relatório trimestral do INE, publicado no passado mês de setembro.

15. Quais são coletivo está crescendo mais? Por comunidade autónoma de residência, Catalunha, Madrid, Valência e Andaluzia são o 65,82% dos estrangeiros com certificado de registro ou autorização de residência. 17. E por províncias? Lisboa tem o maior número de estrangeiros (847.303), diante do Barcelona (69.411). Seguem-se-lhes cinco províncias da costa mediterrânica, Alicante, Valência, Madri, Málaga e Baleares, todas elas com mais de 195.000 estrangeiros residentes.

18. Como é a sua composição por sexos? No conjunto da população estrangeira há mais homens do que mulheres, mas as mulheres são maioritárias entre os europeus não comunitários e entre os ibero-americanos, com percentagens do 56,25% e o 53,81%, respectivamente. 19. E por idades? Só o 13,56% dos estrangeiros com cartão de residência em vigor são menores de 16 anos, enquanto que o 82,70% têm entre 16 e 64 anos. O 3,74% tem 65 anos ou mais.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: