Formação Do Estado

Formação Do Estado

A formação do estado é o processo de desenvolvimento de uma estrutura de governo centralizado em uma situação em que anteriormente não existia. A formação do estado tem sido objeto de estudo por parte de muitas disciplinas das ciências sociais. No referido estudo costumam diferenciar os estados em dois tipos: os estados primitivos (aqueles que se desenvolveram a partir de sociedades sem estado e ocupam este artigo) e os estados-nação (que são discutidos neste outro).

Há várias teorias que explicam tanto as origens dos estados primitivos quanto os contemporâneos e os debates acadêmicos são abundantes a respeito. Os estados primitivos se subdividem, por sua vez, em dois tipos: os primários e os propriamente ditos primitivos. A lista de ambos os grupos estatais não está fechada, mas que continua sujeita a várias controvérsias científicas. Um dos focos de estudo dirigiu-se tradicionalmente para os momentos de transição que ocorreram nas sociedades humanas ao passar de comunidades tribais a organizações políticas de grande escala.

  • 2013: Love again
  • promover o desenvolvimento de competências digitais, conhecimento de software variado
  • Centenas de templates Premium para alterar a aparência da web
  • Março 44
  • Posições simbólicas: – Aumento da própria imagem

] As pesquisas concentram-se em dois tipos: os estados primários e os estados primitivos. Os estados primários seriam aqueles que apareceram em um contexto geográfico isento de pré-desenvolvimento estaduais e/ou na ausência de contatos com outros estados. De acordo com Vicente Lull e Roberto Risch, deve-se adicionar o sudeste da Península ibérica, onde se teria gerado uma forma estatal primária na área se encontrasse. O estado se manifestaria através da exploração econômica da maioria da população por parte de uma elite restrita e monopolizadora do armamento. ] Karl August Wittfogel argumentava que os agricultores para que se espalhassem sobre meios ambientes áridos, encontrar-se-iam com limitações produtivas se baseavam na irrigação em pequena escala.

Intensificação agrícola que produziu excedentes almacenables. Circunscrição populacional motivada por causas ambientais ou humanas. O poder das matrizes foi crescendo paralelamente ao aumento da população e o excedente agrícola, já que, graças a esses dois fatores, poderiam gerar uma maior estratificação social e aumentavam suas possibilidades comerciais e bélicas. Por sua vez, o comércio e a guerra lhes serviu para expandir o território sob seu controle político, evitando-os ou desanimando aqueles que tivessem querido fugir para outro lugar, para fazê-lo (circunscrição). Pouco a pouco, as elites foram impondo tributos, prestações e obrigações aos seus antigos partidários, que se tornaram subordinados.

E este processo de hierarquização, expansão e conquista foi retroalimentando a si mesmo: surgiram os primeiros estados e estes dominaram as matrizes vizinhas, conquistaram entre eles e criaram impérios pré-industriais. Os estados primitivos seriam aqueles que foram criados e institucionalizaron em uma situação em que o aparelho estatal não existia antes, mas desenvolvendo-se em interação com outros estados.

] A grande diferença com os estados primários é que os primitivos não se criaram e desenvolveram-se de forma autónoma. Sobre isso, há um certo número de hipóteses que tentam estabelecer modelos que expliquem por que o estado se desenvolveu em alguns lugares e em outros não. Muitos seguidores da filosofia tradicional do contrato social propõem alguma teoria de formação voluntária. Estas dirigem a sua atenção para o desenvolvimento da agricultura, assim como a pressão demográfica e organizacional subsequente, que resultam na formação do estado.

Uma das mais destacadas hipótese é a hidráulica, vista de cima. A esta, Carneiro, acrescentou a chamada hipótese automática, em que sustenta que o desenvolvimento da agricultura produziria facilmente as condições necessárias para o surgimento de um estado. Uma terceira hipótese, muito comum para as explicações referentes ao estado primitivo, diz que as redes do comércio a longa distância para dar o impulso necessário para o desenvolvimento dos estados em certos lugares estratégicos, tais como portas ou oásis.

A teoria da conquista é semelhante ao anterior e afirma que o estado foi estabelecido por uma cidade com o fim de controlar outras tribos ou assentamentos que teria conquistado. Certo número de teorias neoevolucionistas (relacionadas em alguns casos com as anteriores) explicam as origens do estado em relação com a evolução básica dos mecanismos de liderança. ] De forma semelhante, Henry T. Wright afirma que meios competitivos e conflituosos, provocariam uma experimentação política que levaria ao desenvolvimento do estado.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: