Fazendo O Macaco Com Jane Goodall

Fazendo O Macaco Com Jane Goodall

tal como acontece com muitas outras pessoas, há anos estava convencido de que os humanos éramos uma espécie malvada que heríamos e matábamos aos nossos congéneres, de forma deliberada. As notícias sobre guerras e crimes que enchiam as páginas dos jornais não faziam mais do que alimentar essa convicção. Quando ainda era um ignorante no assunto, lembro-me de ter pensado várias vezes a ideia de “involução” ou retrocesso dos humanos, o que é impossível. A partir deste modelo mental, o estudo do comportamento animal representava uma libertação para mim. Seres em harmonia com seu ambiente, que tinham um histórico de aliar de maneira intensa, onde o grupo estava acima de qualquer indivíduo.

Estas eram dinâmicas opostas às que nós olhamos em cruel e egoísta primata humano. De fato, foi uma das principais razões que me levou a iniciar meus estudos em etologia e primatología. Como a maioria de meus colegas, eu trouxe os meus estudos sob a sombra inspiradora de Jane Goodall.

Como resultado de suas observações de campo com chimpanzés na Tanzânia, alguns dos mitos sobre a vida dos animais humanos e não-humanos caíram como dominós. Primeiro, a constatação de que os chimpanzés usavam ferramentas, capacidade que, até então, se acreditava exclusiva de nossa espécie. Depois, a existência de xenofobia e assassinatos entre comunidades vizinhas de chimpanzés.

  • Não contar com uma estratégia de Social Media
  • 2 Perfil dos usuários do Twitter 2.1 Conteúdo dos tweets
  • Posicionamento sobre soluções, benefícios ou necessidades específicas
  • O valor da solução traz (20 %)

Este fato foi o mais difícil de aceitar para um amante da natureza como eu. Há alguns dias, eu tive uma experiência inesquecível para qualquer primatólogo e, provavelmente, uma das mais emocionantes da minha carreira: manter uma conversa cara a cara com a própria Jane Goodall, encontro que se realizou no santiago bernabéu, em Madrid. O segundo objetivo, e não por isso menos importante, praticar o meu ‘pant-hoot’: um som que emitem os chimpanzés em situações de alegria, gratidão e excitação. Começamos discutindo sobre as batalhas de poder que ocorrem dentro das empresas e até mesmo entre famílias e alcançar a liderança.

Jane distinguiu entre uma liderança duradouro baseado no cuidado das relações e a inteligência; e outro liderança temporária exercido através da força bruta. Do mesmo modo, em humanos convivem ambos os estilos de liderança. Outro dos temas tratados foi a inovação, aspecto essencial para as sociedades em crise, como a nossa. Eu tinha observado em mais de uma ocasião, como na periferia dos grupos de babuínos é o lugar onde acontece o maior número de inovações.

Estes espaços tendem a ser ocupados pelos mais necessitados, devido à sua distância do poder e, portanto, estão mais motivados para criar. Goodall acrescentou à lista a jovens que exploram sem medo, graças à mãe, que lhes dão segurança. As fêmeas que apoiavam a sua descendência, mesmo arriscando a lutar com outros membros do grupo, contribuíram positivamente em sua personalidade; dados do que podemos extrair grandes lições para criar um novo sistema de ensino em Portugal.

Para Jane, é fundamental o estilo de maternidade recebido na infância. Estes factores condicionam a personalidade do indivíduo. Uma relação com uma mãe afetiva, lúdica e paciente, mas sabe impor limites a seus infantes, aumenta as chances de sucesso na sempre difícil interações sociais que ocorrem com os machos alfa.

em Relação à agressividade, Jane me contou como foi possível verificar por si mesma a atração irresistível que supõe a violência para os jovens chimpanzés macho, muito semelhante à que mostram algumas tribos urbanas e grupos das grandes cidades. Mas isso não significa que sejamos maus de nascimento, já que a ‘Lei da Selva’ também inclui outros comportamentos, como o altruísmo, a cooperação e a amizade duradoura.

passaram vários anos desde que começou a minha paixão pelo estudo dos animais e este encontro me obriga a questionar os modelos mentais, que tinha muito interiorizados. Jane ajudou-me a aceitar que o homem é uma espécie mais uma das milhões de pessoas que habitam nosso planeta. Se negarmos o nosso lado escuro, não podemos colocar em prática estratégias que equilibrem essas tendências negativas que todos nós temos.

” Porque a verdade é que os humanos, como outros grandes símios, somos capazes do melhor e do pior. Do mesmo modo, se você aprecia os animais é impossível não apreciar o homem. Graças a Jane, nunca o esquecerei. Obrigado por todo o seu trabalho. Quer saber como fizemos Jane e eu, o macaco praticando o ‘screen-hoot’ de os chimpanzés na selva? Júzgalo por si mesmo no vídeo que encabeça hoje nosso blog.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: