Estratégias Contra O Machismo Ou A Prostituição, O

Estratégias Contra O Machismo Ou A Prostituição, O

nesta quinta-feira o Congresso dos Deputados aprovou, sem unanimidade pela abstenção Unidos Podemos, o pacto de Estado contra a Violência de Gênero que emanou da subcomissão de Igualdade da Câmara Baixa. São 213 medidas, jurídicas, sociais e educacionais, para acabar com uma praga que fez já 41 vidas de mulheres no que vai de ano. O orçamento para a implantação de todas as melhorias, é de 1.000 milhões de euros em cinco anos. No entanto, a prorrogação dos Orçamentos Gerais do Estado pode deixar sem fundos este ambicioso pacto, salvo um acordo de última hora que encarna os primeiros 200 milhões.

Com o financiamento no ar, o pacto de Estado, uma vez aprovado, irá a Conselho de Ministros e depois se dar conta que as Comunidades Autónomas, Municípios, organizações sindicais. A primeira medida, em consonância com o acordo tenha sido a aprovação de um orçamento de 15 milhões para renovar as pulseiras com as que se controla que os agressores quebram o perímetro de segurança das mulheres. Os novos detectores terão tecnologia 4G, estarão disponíveis na primavera, e permitirão detectar muito antes das rupturas de ordens de afastamento, um quebrantamento que preocupa o poder judiciário e ao Defensor do Povo.

Unidos Podemos é o único grupo que propôs a emenda à totalidade do contrato, por entender que não se adota uma “abordagem abrangente” contra todas as formas de violências machistas. E por falta de “garantias, orçamento e feminismo”. 1. Equiparação às vítimas do terrorismo. Dias antes do pacto estadual, a Comunidade Valenciana aprovava um pacto semelhante com cerca de 300 medidas para situar a violência machista como um problema social estrutural.

O valenciano incorpora a equiparação de ajuda às vítimas mortais de violência de gênero com as que recebem os mortos por atentados terroristas. Isto implica que as ajudas passem de 6.000 euros atuais para 75.000. Esta medida, no entanto, não entra dentro do plano aprovado hoje, embora o grupo as linhas de portas apelou, sem sucesso, que incorporar-se-á a última hora.

2. Artigo 416 do LEC. Várias das comparecientes nas sessões de especialistas para a elaboração do pacto defenderam a necessidade urgente de alterar o artigo da Lei de Processo Penal, que permite não declarar a vítima contra seu agressor. O mpf propôs manter esta prerrogativa, exceto nos casos de vítimas de violência de género.

  • 24 e 25 de fevereiro: eleições gerais da Itália de 2013
  • Conversas de telefone
  • 3 Área econômica[editar]
  • 9-commerce: as chaves do sucesso. Pedro Abade
  • Tudo sobre Coentrao: Notícias Vídeos Fotos

O acordo foi concretizado, no entanto, continuar a discussão sobre a reformulação legal, com uma nova comissão de especialistas. Desde o púlpito, a deputada socialista Anjos Álvarez recordou a importância deste ponto. 3. Combater o machismo. Para o exdelegado do Governo de Violência de Gênero, Miguel Lorente, o plano recolhe “tantas coisas e tão impossíveis”, mas também “falta de perspectiva para combater o machismo”. O grupo Unidos Podemos também acredita que o pacto falta de “visão holística” do problema, que não se identificam correctamente as formas e os domínios em que se dá a violência machista. O que Miguel Lorente lamenta é que se ponha em causa tanto das vítimas e pede abertura de vista.

neste sentido, o pacto valenciano sim incorpora”a promoção dos valores das novas masculinidades para gerar novos referentes de homens”, assim como a reeducação e reinserção dos agressores machistas. Também o PSOE, em um de seus votos particulares, pediram nesta quinta-feira que é adicionada uma estratégia contra o sexismo.

4. Abusos sexuais: O grupo Unidos Podemos no Congresso faltando uma secção dedicada às agressões sexuais fora do casal, o que eles encontram um claro matiz de gênero. Dizem que introduzi-las no pacto de Estado tivesse ajudado a aumentar as denúncias de um assunto tabu e, portanto, invisível. 5. Plano integral de saúde. Mais uma vez, o exdelegado do Governo Miguel Lorente considera que há falta de um plano de abordagem do sanitário da violência de gênero.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: