Estampas De Uma Europa Com E Outra Sem Medo. Lições Preliminares Após Os Atentados

Estampas De Uma Europa Com E Outra Sem Medo. Lições Preliminares Após Os Atentados

Estampa Alemã contra os atentados. Em 2015, Angela Merkel, após os atentados de Paris, admite que o islã é parte da Alemanha. Assistiu ao anarquismo ato de solidariedade com as vítimas na França, mas, em vez de identificar os autores do atentado com uma nação, raça ou religião; para a surpresa de todos, fez suas as palavras de Christian Wulff.

O que fora presidente da República Federal Alemã, disse em 2010 que ele era presidente, também, da comunidade muçulmana que vive na Alemanha: “o islã é parte para a Alemanha”. Um ano depois dimitía por uma minucia; a imprensa sensacionalista orquestrou uma terrível campanha de desprestígio. Angela Merkel disse perante o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu “eu sou a chanceler de todos os alemães que vivem na Alemanha.. “. Mais do que um gesto em direção regime turco, convida-o a Turquia a abster-se, como está fazendo nas eleições alemãs, para incitar o patriotismo dos turcos da Alemanha para condicionar o resultado.

Os turcos na Alemanha são cidadãos alemães, por isso, seu único “patriotismo”, disse a Jürgen Habermas, é o “constitucional alemão”. O aliança entre a esquerda multicultural e fundamentalismo esboço? Die Zeit publicou um artigo de Canan Topçu, ele se nega que ser turco na Alemanha implique apoiar a Erdogan. Ela refletiu sobre as relações de alemães turcos com o seu país de origem e, em concreto, lamentou que a imprensa dar uma imagem errada.

Verdade que 60% de Turcos na Alemanha votaram em 2015 pelo AKP, mas o mais certo é que só votaram um terço, não chegou a 20%. Raed Saleh, presidente do PARTIDO de Berlim, publicou Ich Deutsch. ]; contra a cultura dominante que define o “bom e correto” contra o “mau e condenatório”, propõe uma “regra de ouro” comum em todas as religiões: “não faças o que não queiras para ti mesmo”.

  • Associações civis
  • 3 – Comprar e instalar um modelo chulísima
  • 19:30.- FUTEBOL, liga dos CAMPEÕES, QUARTAS-DE-FINAL, BARCELONA-KIEL
  • 4 Participação no debate do Parlamento Europeu

o Que tem lugar na esfera pública da religião nas sociedades secularizadas do século XXI? Jürgen Habermas. Adverte contra a “inclusão daltónica” de não ter em conta a origem cultural ou de crença dos cidadãos. Você pode reivindicar a integração em uma cultura e, ao mesmo tempo, desde o “fundamentalismo ilustrado”, considerar o islã, como há Ayyaan Hirsi Ali, uma “cultura opressora e violenta”? Ian Buruma aponta como a Holanda, um país que há décadas eram raros os casamentos mistos entre católicos e protestante, hoje mistos é comum casaram com muçulmanos. Como Se assimila a intolerância com a cultura própria? Hirsi Ali foi roteirista de Submissions do diretor Theo van Gogh (morto). Holanda o mapa político).

A cultura islâmica pretende apenas de esquerda, diz Anatol Lieven, foram transformados em falcões, que defende a guerra étnica. Temos uma inesperada aliança de “fundamentalistas neoconservadores” e uma esquerda cética (racionalista, materialista, que rejeita os dogmas, exceto os próprios do ateísmo metodológico). Impõe-Se uma curva naturalista, para o qual a pluralidade de mundo, de vida e projetos pessoais é mera mitologia (desaparece a idéia de finalidade).

Uma sociedade sem motivações, sem ideias, sem princípios normativos, cujos membros deve satisfazer a execução desmotivada da lei. Não é voltar para a religião, que fora define as motivações dos indivíduos; em uma sociedade secularizada essas idéias vem de dentro, como atos livre e consciente. A legitimidade da democracia é substituída pela legitimidade da ciência que nem requer um ato de comunicação. E o mal-estar de cidadãos religiosos? Aqui esta o “drama multicultural”.

a Alemanha não é uma república islâmica. Cem Özdemir, candidato Dos Verdes nas eleições em setembro, acusado (19 de julho) a Erdogan de querer instaurar uma outra Turquia na Alemanha. A pergunta para a disputa da Alemanha e Turquia responde que é uma questão entre a OTAN e a Turquia; se instaura a pena de morte deve sair do Conselho da Europa.

Se descreve a si mesmo como um ex-Anatólia. Publicou Mitten in Deutschland. Cem Özdemir é de se acostumar, a partir dessas declarações, a ter três policiais, que seguem em todos os lugares (por ameaças de extremistas). “Um desonroso civilizado” dizem; o próprio Erdogan acrescenta: “às vezes aparece gente com sangue podre, mas o nosso país sabe dar-lhes a lição que merece”. Impulsionou desde o Bundestag uma resolução contra o genocídio (que a Turquia recusa) do dia 2 de junho de 1915, com um milhão e meio de armênios deportados e mortos pelo Império Otomano.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: