É Importante Também Para As Empresas

É Importante Também Para As Empresas

neste tipo de formação, os cursos são financiados principalmente com a quota de formação profissional que contribuem com empresas e trabalhadores. Todas as empresas cotadas pelos seus trabalhadores no conceito de formação profissional para a Segurança Social podem participar desta formação e bonificado seu custo total das contribuições para a Segurança Social. Esta formação, foi indicado CCOO, é importante em todos os grupos de trabalhadores, especialmente aqueles que sofrem maiores taxas de precariedade, como jovens, mulheres, maiores de 45 anos e pessoas com baixa qualificação. É importante também para as empresas, já que quanto mais trabalhadores tenha formados terão mais competitividade das nossas empresas, prosseguiu.

de Acordo com o sindicato, o peso da formação na empresa é alta; em 2017 participaram 67.581 pessoas e 4.335 empresas, com 1.040.000 horas de formação. Navarra é a segunda comunidade com maior taxa de cobertura, apenas superada por Madrid. Quanto aos grupos prioritários, do total de participantes, 41% eram mulheres (4 pontos abaixo do que representa a população feminina assalariada), 34% acima de 45 anos e 18% de pessoas com baixa qualificação. De acordo com CCOO, “assim como é constatado que as pessoas usuárias que estão usando esta formação estão aumentando, mas são, sobretudo, as grandes empresas as que concentram”.

Em 2017 baixaram as empresas que ofereceram esta formação com relação ao 2016, 405 empresas menos e “essa queda afeta exclusivamente para micro e pequenas empresas”. Tal e como se vê nos gráficos do relatório, enquanto que sobem as pessoas que participam nesta modalidade de formação, descem as empresas que a realizam.

A duração média da formação tem diminuído nos últimos anos, “está concentrada em poucas famílias, profissionais e a maioria da formação, tanto em pessoas como em horas, é dada de forma presencial”. A duração média da formação passou de 33 horas, em 2004, 15 em 2017. Esta tendência aponta para um menor grau de especialização ou aprofundamento dos conteúdos. Um 62% dos participantes concentra-se em três famílias profissionais, “o que não parece que os conteúdos de formação que respondam às necessidades concretas e específicas da estratégia empresarial”.

  1. Preparar ou condicionar a sala de aula
  2. Canal Perfeito para a difusão de seus conteúdos
  3. Câmera de alta resolução: Canon EOS 1300D
  4. Minimizar estoques
  5. Dar e receber recomendações
  6. Lá se vão aparecer as outras redes sociais, aí você escolhe Facebook
  7. Superar a timidez

A maioria se forma em administração, 29%, em segundo lugar, a maior demanda é dada em segurança e meio ambiente. Em 2017 a modalidade escolhida pelas empresas para formar seus modelos continuava a presencial. Um 80% preferiu a formação presencial para a aprendizagem. A modalidade de aprendizagem se impõe nas empresas navarras de menor tamanho: 42% dos participantes de microempresas se formam nesta modalidade. No lado oposto, apenas 5,1% dos participantes das empresas de 50 a 249 trabalhadores formaram-se on line.

A juízo do CCOO, com esses dados, é hora de melhorar algumas questões, “já que é uma formação muito requisitada por empresas e trabalhadores, mas que precisa de correções importantes para que seja verdadeiramente útil”. Em sua opinião, há falta de um Plano de Trabalho Acordado entre o Governo central e agentes sociais, para “concretizar e definir melhor a orientação da formação a médio e longo prazo”.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: