Diante De Um Problema De Tal Calibre

Diante De Um Problema De Tal Calibre

nesta segunda-feira, 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, e para prevenir isso é importante conhecer algo que ainda é pouco tratado e considerado um assunto tabu. De acordo com os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística, em 2016 morreram 3.569 pessoas em Portugal por esta causa.

Diante de um problema de tal calibre, ainda não existe um plano de prevenção do suicídio a nível estadual. Mas o atual Governo tem dado os primeiros passos para evitar o que já é a principal causa de morte não natural. A ministra da Saúde, Consumo e bem-Estar Social, Carmen Monte, reuniu na passada sexta-feira a associações de profissionais e de pessoas para desenvolver um Plano Nacional para Prevenção do Suicídio, algo anunciado em junho.

Especialistas e interessados vêem com bons olhos esta iniciativa, mas exigem “o quanto antes” pôr em marcha. A Confederação Saúde Mental se mostrou “satisfeita” com o plano. A organização considera que é “básico uma abordagem transversal do suicídio” para mitigar seus efeitos. Os especialistas de Saúde Mental ensinaram que é vital para a prevenção, a detecção, o diagnóstico, o tratamento e a continuidade de cuidados mentais, ao mesmo tempo em que consideram necessário “aumentar a conscientização sobre a importância do mesmo. Confederação Saúde Mental, Nel A. González Eduardo.

  • Filtra usuários que não tenham alterado a sua foto de perfil e deixa de segui-los
  • TOMAR CONSCIÊNCIA DO PODER DO AMBIENTE DIGITAL
  • Formato da publicação
  • Bibliotecas públicas (disponibilidade de catálogos, ferramentas de busca)
  • 3 Características da sociedade em rede
  • Comentar a atualidade da sala de aula; criar novos projetos, como grupo-classe
  • 4º. O decálogo do eCommerce

no entanto, para obtê-lo “é imprescindível acabar com os mitos e ideias erradas sobre o suicídio para facilitar a desestigmatização e culpabilización da conduta suicida e, com isso, possibilitar que as pessoas com ideaciones suicidas pedirem ajuda”, afirmou. Apontam duas possíveis razões: ou é que “aumentou o número de suicídios ou é que “a gente se atreve a falar mais sobre o assunto”.

A fundação critica a má conduta de alguns meios de comunicação “sensacionalistas” ao tentar “algo tão delicado”, e recomendam que tentem não causar mais dano ao afetados e familiares. Para isso, a associação tenta sempre manter no anonimato os afetados. Quanto a se informar ou não do tema, Altastuey que há que tratá-lo como um “problema social de saúde” e o que falar do suicídio “, não provoca efeitos colaterais, como alguns assinalam”.

Na mesma linha, a Saúde Mental, assinalou que “informar, de maneira responsável e adequada é uma das medidas que podem ajudar a prevenir”, que levaram os jornalistas a “não descartar falar sobre suicídio”. Embora todos insistiram em não descrever explicitamente o método empregado e evitar os detalhes ou publicar fotografias ou notas suicidas.

Além de incentivar a publicar números de telefone de ajuda e dar informação pedagógica. O suicídio é considerado como um dos maiores problemas de saúde pública a nível mundial a partir de meados do século XX. A Organização Mundial de Saúde, cifrou em 2014, em mais de 800.000 pessoas morrem anualmente por suicídio no mundo. Isso significa que há uma taxa de mortalidade global de 16 por 100.000, ou uma morte a cada 40 segundos. Um total de 28 países já tem incorporada uma estratégia, mas, como

Joana

Os comentários estão fechados.
error: