Dez Medidas Para As Empresas Que Procuram Cuidar De Seus Funcionários

Dez Medidas Para As Empresas Que Procuram Cuidar De Seus Funcionários

1. Redes sociais 360 graus, do yammer até glassdoor. As organizações se apóiam cada vez mais as redes sociais para dar a conhecer a sua imagem de marca como empregador ou para se relacionar com novos talentos, desde o linkedIn instagram, onde se encontram perfis mais criativos. A estas se somam redes internas (através de ferramentas como yammer), que promovam a conversa dentro das empresas e favoreçam a ouvir as preocupações das pessoas que compõem a organização.

Em relação às redes, também figura a transparência como desafio fundamental, que toma mais importância após a aparição de glassdoor, o portal que oferece informação aberta sobre companhias e salários e que se tornou um fenômeno internacional. Assim, cada vez mais dados sobre uma empresa estão nas mãos de seus empregados e ex-empregados, e à disposição de qualquer pessoa com um clique. 2. Experiências de qualidade. Outro conceito em que coincidiram dos palestrantes é a necessidade de criar experiências positivas para funcionários e candidatos, como já se faz com os consumidores. Isso é especialmente relevante face aos jovens: millennials e “Geração Z”. 3. Segmentação de perfis e personalização.

A análise dos dados disponíveis ajuda a formar uma melhor proposta de valor para as pessoas, conhecer o público-alvo a que se vai dirigir e traduzi-la em emoções. Tudo isso vai permitir personalizar o processo de seleção e transformá-lo em uma experiência positiva, mesmo que essa pessoa não seja escolhido, o que inclui também fazer pesquisas de satisfação com os candidatos. 4. Os “chatbots” a experiência do candidato. 12% das empresas espanholas já tem integrado “chatbots” e utilizam algoritmos, cada vez mais presentes na experiência do candidato.

Muitos jovens já são nativos digitais e reclamam uma nova forma de relacionamento, onde prima pela rapidez. Aplicado ao domínio do talento, os “chatbots” ajudam a agilizar respostas e melhorar a comunicação. 5. Canal de emprego. “Being responsive or not being” (adaptável a diferentes dispositivos ou, simplesmente, não estar). As organizações que desejam alcançar para os millennials e a “Geração Z” tem que ser orientada para o ambiente móvel ylo que não aparece nos seus celulares ou tablets não existe. Dispor do tradicional seção “Trabalhe conosco” no site, que serve para pouco mais que para que os candidatos enviem seu CV, é insuficiente.

  • Se toma antes uma posição vantajosa
  • Maria Gomez do Trajar. CEO da Womenalia
  • Envolver em sua elaboração, os executivos que venham a participar na sua aplicação
  • Regions (discussão) 13:54 17 ago 2015 (UTC)
  • Ana Sáenz de Miera. Diretora da Ashoka Brasil e Portugal
  • 3. o Que é um Lead

As empresas devem construir um bom sistema tão necessário como o físico, já que é o primeiro ponto de contato com o talento externo. Ganham um certo protagonismo das videofertas, que elevam a taxa de cliques. 6. Contar histórias e o monopólio do vídeo na comunicação. O que dizem outros usuários também é determinante e influencia muito na decisão de candidatar-se ou não como candidato a uma empresa.

neste sentido, é importante contar histórias e vivências substituindo a tradicional informações fria e impessoal. O vídeo é o formato mais eficaz, como bem sabem os especialistas em marketing e redes sociais. 7. A autenticidade dos embaixadores da marca. 8. Envolver a alta gerência e transmitir com o exemplo. A principal razão de abandono de um posto de trabalho em Portugal é uma má relação com o supervisor direto.

Se uma empresa propõe uma agradável experiência de trabalho, tem que ter coerência com essa promessa, o candidato, de modo que os chefes sejam os primeiros “embaixadores da marca”. Também é importante reforçar o seu papel no processo de seleção para que o candidato conheça os detalhes do projeto em que vai participar, e também como é o superior que terá que reportar. 9. Transversalizar o “employer branding”.

A estratégia tem de ser gerida de uma forma multidisciplinar, com uma equipe composta por recursos humanos, comunicação e marketing e negócios. Esta política assegura a combinação das perspectivas e das competências necessárias para integrar as preocupações de empregados e de negócios, para criar uma experiência única, que pode ser transferida dentro e fora da organização. 10. Os indicadores de sucesso da estratégia e o retorno do investimento. Cada organização tem de identificar os resultados a obter através de sua estratégia para gerar os indicadores de sucesso mais adequados para medir o impacto e o retorno do esforço realizado.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: