Como Podem As Redes Sociais Ajudar O Meu Negócio?

Como Podem As Redes Sociais Ajudar O Meu Negócio?

As novas tecnologias têm conseguido abrir todo o tipo de portas, janelas e janelas do chão ao tecto, tanto para empresas como para clientes. As redes sociais se colocam como uma ferramenta de interação de clientes e usuários com organizações e empresas. Um meio com que se possa gerar conversas. As redes sociais são, portanto, uma útil ferramenta de marketing de baixo custo que faz com que o negócio possa ter maior visibilidade e cujos resultados são obtidos a médio ou longo prazo, mesmo que o trabalho deles seja diário. Por isso, além de elaborar o projeto, obter financiamento e iniciar o negócio, há também que considerar como utilizar as novas tecnologias a favor.

Mas quando se tem um negócio, no que se refere às redes sociais, não se trata de “estar por estar” nem de “quanto mais melhor”. Há que saber utilizar o Social Media devidamente e em benefício da empresa, há muitas redes sociais hoje disponíveis e que poder ir. Não vale aquilo “há que estar presente nas redes sociais”, apenas tem que estar, se o negócio realmente necessário. O meu negócio precisa presença nas redes sociais?

Que o mundo online adquire cada vez mais importância é algo evidente e, por isso, parece quase inevitável resistir à tentação de ter uma presença em cada uma das redes sociais. Não se trata de estar em todas as redes sociais, mas de estar naquelas que realmente irão gerar valor para a entidade. A Internet está aí, disponível para todos, mas há que saber usá-lo de forma adequada.

Uma vez que se tem em mente ter uma presença nas redes sociais, é necessário estabelecer um plano de acção com uma estratégia assim como é feito em outras áreas de negócio. O canal online e offline estão assim unidos, porque as empresas buscam gerar conversas offline e, no final, a venda mas, graças à interação on-line através das redes sociais. Aqueles usuários que interagem com a entidade podem se tornar usuários preceptores, ou seja, aqueles que falam bem da empresa e do produto, e que a aconselham aos outros.

Mas, em muitos casos, estes conhecimentos não são aplicáveis, porque os gestores não têm uma boa atitude, ou seja, de um comportamento adequado que tente implementar tais métodos. Entre as atitudes mais solicitados e necessários é a habilidade de liderança, a mesma que pode ser cultivada, mas que, segundo muitos autores, é parte da personalidade individual.

  • MANUAL DE CRISE ONLINE
  • Televisa Guadalajara (GDL sua estação)
  • Melhoria no suporte a diferentes idiomas
  • Escolher um modelo de entre as que se oferece

Como saber se estamos configurados como líderes e, em caso contrário, como desenvolver essas habilidades em nossa pessoa? É um tema de amplo debate e estudo, mas é necessário descobrir se temos algo de líderes e coisas que nos faltam para conseguir sê-lo plenamente. Quando a liderança é necessário, comumente, por cargo, em uma organização, falamos de líderes formais. O conceito de liderança se transforma, vinculado com ideologias diferentes sinais e orientações, e o conceito de “poder” ou a capacidade de influir sobre os outros.

Líder carismático: é aquele a cuja causa se entregam seus seguidores. O carisma dos precursores revolucionários ou conservadores seduzia aos seus liderados. O líder sabia onde ir e como fazê-lo, exigia disciplina e obediência. Na América Latina, os caudilhos/ditadores carismáticos, alguns considerados heróis, vilões, marcam as histórias nacionais e locais, e geram muitas prevenções, pois a gente se resigna ao paternalismo, por temor ao risco.

Líder servidor: é o que prioriza atender as necessidades sociais. De acordo com Robert Greenleaf os “profetas” têm liderança carismática, além de ser “servidores”; os “buscadores” de guias, os “seguidores”, “destinatário”, “beneficiários” ou “população-alvo”, faz com que os “profetas”. Líder gerencial: é o que “gestão” eficaz dos recursos, especialmente os humanos. Em toda organização existem lideranças fora das posições formais de condução. Os gerentes deveriam ser líderes, mas também deve identificar e promover os líderes que não são gerentes, para que saibam gerenciar e sejam promovidos a posições organizacionais visíveis. Líder estrutural: é o que oferece propostas para a organização de suas instituições ou projetos, definem a estrutura, a estratégia e a resposta, em função do ambiente.

Criam as condições e o quadro de suporte para um momento histórico. Líder com orientação política: é o que procura espaço e poder para a organização, gera alianças e coligações. Se necessário, usa a pressão ou coerção. Se o poder é para o líder se aproxima da liderança carismática, autocrático ou gestor. Comunicação verbal: uma pessoa com forte liderança é capaz de saber informar e comunicar o que quer para o seu computador.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: