Como O Google Pode Ajudar Os Comércios

Como O Google Pode Ajudar Os Comércios

Todos os dias, às 11 horas da manhã, Maria López Linares abre seu negócio, uma jóia especializada na reprodução de peças históricas, em madrid, no bairro de Salamanca. É um local pequeno, decorado com móveis antigos e fotografias em preto e branco de filmes de Hollywood clássica. Se alguém quiser uma cópia do colar de pérolas que usava Audrey Hepburn no Café da manhã com diamantes, esta é a sua loja. Até há três anos, quase todas as pessoas que cruzavam a porta eram clientes ocasionais: turistas ou pessoas de passagem.

Hoje, a maioria são fãs do vintage que ter localizado o negócio no motor de busca ou os mapas do Google. A empresária, de 54 anos, lançou em 2014 uma loja online, que gera 20% de suas vendas, um percentual ainda pequeno. Mas o seu verdadeiro mérito é ter sabido aproveitar as ferramentas do Google, Facebook e outras redes sociais para atrair visitantes à sua propriedade e criar uma comunidade de seguidores. “Se o Google Maps procura o bairro de Salamanca, se aparecer uma estrela sobre o meu local com todos os meus dados. Esse é um serviço gratuito que muita gente desconhece”, diz. As grandes empresas espanholas levam anos a investir em marketing digital.

Só no posicionamento de pagamento em buscadores, gastaram no ano passado 784 milhões de euros, metade do orçamento de publicidade que destinados a computadores e dispositivos móveis, segundo um estudo do IAB Portugal. A outra metade se dividiu entre anúncios em sites (banners) e vídeos. Gigantes como O el Corte Inglés, Movistar e Renault lideram o ranking de anunciantes digitais. As mesmas Google e Facebook são conscientes desta situação e estão empenhadas em promover a digitalização as micro-empresas, autônomos e empreendedores, através de serviços específicos e programas de treinamento.

  • Gerar promoções virais (que incentivem a ser compartilhadas)
  • Seleccione o seu plano de hospedagem (plano Hatchling para um site, ou plano baby para vários sites)
  • A câmara Municipal de Montuïri tem uma dívida de 5,9 milhões
  • 30 o Senhor dos transporte
  • Responder a uma reclamação
  • Mantenha-se fiel a um tema
  • Não filtram: não analisam o valor intrínseco ou a relevância para o tema específico

o Google, por exemplo, dá a partir de 2014 uma série de cursos gratuitos, tanto online quanto presenciais, sob a plataforma Actívate. “Uma empresa que tem uma estratégia de marketing digital cresce três vezes mais renda que o que não o faz”, diz Esther Marinhas, responsável de marketing para pequenas e médias empresas do Google em Espanha e Portugal. Além disso, diz que “as empresas que têm funcionários dedicado a este tema dentro de sua organização, foram enfrentados melhor à crise do que as que não”.

Maria López Linares participou de um dos cursos de Actívate e hoje é convidada pelo programa para partilhar a sua experiência com os novos alunos. “No meu negócio, o cliente sempre tem recebido um tratamento muito pessoal. A mim me preocupava muito que, ao lançá-lo na internet, essa proximidade se perdesse.

Mas o medo foi resultado improcedente. Nas redes sociais, você começa a conhecer a pessoa, mesmo que você não a vê”, garante. López Linares, para que seus seguidores no Twitter chamam Maria Vintage, começou a investir em marketing digital motivada pela crise e as circunstâncias pessoais. Seus pais fundaram a casa em meados dos anos oitenta, como uma oficina de restauração e venda de móveis antigos. Mas após a morte de seu pai, em 2007, e do chefe da oficina, ano e meio depois, Maria, sua mãe e sua irmã decidiram dar um giro para o negócio.

“Como sempre tínhamos reproduzido móveis e tínhamos algo de bijuteria antiga, nós tivemos reproduzir jóias emblemáticas: transformar a loja em um showcase da história da jóia”, conta. Desde então, não apenas recriam artigos expulsos do cinema, mas também da pintura, como brincos que aparecem em um quadro de Tintoretto, ou da história, como a tiara que se media a imperatriz Sissi. No início, a maior dificuldade foi dar a conhecer a mudança, já que, até então, lhes havia sido identificado como antiquários.

Maria encontrou a solução no Facebook. “A primeira coisa que fiz foi abrir um perfil pessoal. Rapidamente me dei conta de que a capacidade de as redes sociais para fazer-me chegar aos meus possíveis clientes: estavam todas ligadas”, lembra. Depois seguiram-no Twitter, YouTube, Flickr, Instagram e as ferramentas do Google. “Eu tinha certeza de que era importante estabelecer uma boa reputação digital antes de abrir a loja online, para que as pessoas lhe desse confiança, comprai-nos através da internet”, refere. Esse momento chegou em 2014, quando lançou o site e um blog que atualiza três vezes por semana.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: