Como Franquear Um Negócio E Não Fracassar Na Tentativa

Como Franquear Um Negócio E Não Fracassar Na Tentativa

de Acordo com o “Termômetro da Franquia”, elaborado pelo T4 Franquias, um 84,51% das empresas consultadas consideram que a sua transformação em franquia representou uma experiência positiva em termos gerais; e um 70,84% diz que obteve a rentabilidade esperada. No entanto, um 40,27% é de opinião que o crescimento tem sido mais lento do que o que acreditava, e no lado oposto, um 20,85% assegura que foi mais rápido. E é crescer em franquia é complicado pela grande concorrência. Os especialistas consultados concordam que para entrar neste mundo há que informar-se previamente, e bem.

Oroquieta e Aragonês consideram que, às vezes, há uma imagem “idílica” da franquia. “Alguém se ocupa de seu negócio, não intervienes e ainda por cima, você ganha benefícios”, que viriam a crer alguns. “Se alguém pensa na franquia como um sinônimo de negócio garantido está introduzindo o equívoco -adverte Mariano Alonso. O que sim é certo é que as chances de surgirem problemas são inferiores.

Então, o risco é menor, mas não desaparece. E se a gente não analisa bem as opções de negócio em que investir, possivelmente esteja introduzindo o equívoco. Os empreendedores que estão pensando na franquia para iniciar o seu negócio deveriam investir um pouco de tempo e de dinheiro para fazer bons análise antes de tomar decisões”, ele insiste. O fracasso, geralmente, vem de uma falta de planejamento que impede de analisar as próprias capacidades. Segundo Alonso, “o empresário deve ter uma visão clara” se quer “canalizar o seu crescimento de forma compartilhada com outros empresários”. “Ao fim e ao cabo, a franquia é uma associação comercial que lhe permite crescer sem necessidade de fazer grandes investimentos em termos financeiros e humanos”.

“O mais importante é que o empresário tenha essa visão detentora global do franchise, de apoiar-se nos outros para poder crescer. Sem essa visão, não é possível”. Mas, há que impor condições restritivas ao franqueado ou é melhor dar-lhe margem de manobra? Eduardo Tormo, diretor geral de Tormo Franchise Consulting, é de opinião que “a franquia é baseada em um modelo de negócio de sucesso, que é válido como está e deve ser previsível”. E coloca um exemplo gráfico: “Quando um cliente vai a uma marca, imagine que a McDonald’s, sabe o que existe e isso é o que espera.

“. Assim que, do seu ponto de vista, é necessário um quadro, que “o franqueado saiba onde entra, quais são as condições, e aqui há que ser transparentes. Assim, em termos gerais, deve ser muito rígido”. “Outra coisa é que tenha determinados conceitos que devem permitir uma certa flexibilidade, por exemplo, na oferta local.

Vai depender de cada marca e de cada setor. O que não pode ser é que cada franqueado coloque suas próprias condições. Poderia ser um caos”. Mariano Alonso há algumas precisões: “As franquias são as regras do jogo, não impostas por capricho, mas porque o empresário foi visto que são as condições em que o negócio funciona.

  1. Média de tempo da página
  2. Paragem de: Proximidades
  3. 1 Antigos membros
  4. pode Chegar acima dos resultados de pesquisa
  5. você Costuma revelar seus truques

Mas você tem que ser consciente de que o franqueado é um empresário independente, é dono de seu negócio. Simplesmente, opera sob uma marca cujo direito de uso foi-lhe cede. Não se pode incumplirlas, mas o outro não pode ser excessivamente restritivo. Tem que deixá-lo liberdade, certas margens para tomar decisões.

Deve dar um equilíbrio”. Além disso, uma franquia muito restritiva “seria absurdo, porque perderia o empresário um potencial de inovação muito importante”. Para Oroquieta e Aragonês, no entanto, “as franquias que melhor funcionam são as mais elevadas, aquelas que deixam pouca margem de manobra aos franqueados”. E colocam-se como exemplo as grandes empresas, que optam por amarrar em curto. “O sucesso depende muito do franqueado.

Se falhar, também é um erro do franqueador, que o escolheu”. Esse canal de venda é futuro, de acordo com o “Relatório da Franquia 2016”, elaborado por Tormo Franchise Consulting. Na opinião de seu diretor-geral, “praticamente cada vez são mais as empresas que confiam na franquia. Geralmente são pequenas e médias empresas, quase sempre se trata de empresas que estão fazendo o maior sucesso. E muitas das organização que agora são grandes, eles começaram pequenos”.

Alonso concorda: “Sim, sem dúvida alguma. De fato, nestes anos de crise, o crescimento tem sido superior. Se vemos que, em tempos de crise, as empresas têm uma necessidade mais premente de vendas, a criação de um canal de venda rápida e econômica, evidentemente, desperta o interesse de muitos empresários. Ao mesmo tempo, muitas pessoas que perderam seus postos de trabalho têm que autoemplearse, estão à procura de opções, e uma forma menos arriscada de criar negócio é a franquia. O interesse, tanto de empresários como de empreendedores por franquiciarse cresce de forma exponencial desde há cinco ou seis anos”, conclui.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: