Brecha Digital De Gênero

Brecha Digital De Gênero

] necessárias para viver e trabalhar em sociedades caracterizadas pela crescente importância da informação e do conhecimento. A lacuna de gênero é uma das variáveis mais relevantes relacionadas com o atraso das mulheres na incorporação ao mundo das novas tecnologias e ao uso da Internet. A preocupação com as diferenças de género na utilização de computadores e da Internet é crescente. Cecilia Castanho aponta que a lacuna de gênero também está relacionada com a baixa proporção de mulheres que trabalham como profissionais de informática.

Nenhuma. A nossa responsabilidade com os livros é imensa, e se concretiza em um único compromisso: editar bem. Quais são os desafios fundamentais que a edição deste ano coloca ao sector? O setor editorial parece estar sofrendo dois crise de diferente signo: a econômica e a provocada pela chegada do livro digital.

Assim, sem fazer concessões ao mercado, como até agora, estamos “surfar” a crise, mais do que “buceándola”. Quais são as fórmulas estão navegando neste momento para a reinvenção do setor? É necessária a auto-crítica? Em caso afirmativo, Continuamos a fazê-lo, na verdade. A situação é difícil para todos, muito difícil, mas temos confiança (aí está o setor editorial e livreiro argentino, como exemplo, após o corralito e uma infinidade de crise vizinhas) no livro. E em nossos livros. Quais são os desafios fundamentais que a Feira do Livro coloca ao sector da edição em Portugal?

  • 5 a 5. Publique tweets para as melhores horas do dia
  • 2 A Lei de Ajuste Agrícola
  • Criar boletins tradicionais ou eletrônicos
  • 1 Direito civil autónoma valenciano

As vendas reduziram-se muito com a crise, os livreiros estão a passar mal, por isso que o primeiro desafio é vender mais, acho que o desconto de 10% pode ser um incentivo a mais este ano para os leitores. Há também um desafio maior, e que o setor não tem solução e é a pirataria.

É tão fácil transferir um livro grátis e em momentos de crise, é uma tentação maior. Em Rocha editorial contratamos um serviço que rastreia 365 dias 24 horas os arquivos piratas em todo o mundo de nossos livros e os aniquila. Cada mês uma média de 800 arquivos. Quais são as fórmulas estão navegando neste momento por parte de seu editorial, Rocha, para a reinvenção do setor? É necessária a auto-crítica?

Em caso afirmativo, A autocrítica foi feito várias vezes: editamos muito, e os livreiros não podem gerir tanta novidade, um livro começa a ser vendido rápido ou é devolvido dentro de poucas semanas, substituído pelos outros, para seguir o mesmo processo. Mas este tema tem pouca solução, cada editor tem uma estratégia diferente. Nossa estratégia é selecionar mais os nossos livros, ser mais exigentes, manter o foco no que sabemos fazer de melhor e publicar menos títulos por ano.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: