Auto-Retrato Do Deus Dos Quadrinhos

Auto-Retrato Do Deus Dos Quadrinhos

Até que chegou Art Spiegelman, um dos principais problemas da arte tinha sido o de como representar o inapresentável, o que foge de qualquer compreensão humana. Os primeiros pais da Igreja se envolveram na definição de Deus, Georg Cantor tentou condensar a idéia de infinito e Theodor Adorno disse que “escrever poesia depois de Auschwitz é um ato de barbárie”. Obra de Art Spiegelman no Centro Pompidou de Paris.

Co-mix’ segue a trajetória pessoal e criativa de este nova-iorquino nascido em Estocolmo em 1948, desde os seus primeiros passos nos quadrinhos underground do final dos 60, da mão de colegas como Robert Crumb. Em uma das primeiras páginas do livro diz Spiegelman: “Imediatamente depois de desistir da idéia de ser cowboy ou bombeiro, decidi me tornar desenhista de sucesso para uma agência.

Dediquei vários anos a desenvolver as habilidades necessárias, mas depois me dei conta de que me interessavam coisas que não eram totalmente compatíveis com este objetivo. Decidi seguir meus novos interesses e levei os quadrinhos comigo. É como se eu tivesse feito vaqueiro e, em seguida, tivesse decidido me tornar um cantor de ópera.

Pode cantar árias enquanto fazia girar um laço”. Os ‘cómix’ que eu gosto, e que eu tento fazer, podem ser lidos com pausa e várias vezes. Tenho a esperança de que a leitura aporte algo novo. Tentativa que cada foto seja importante e às vezes chego a gastar até um mês em uma página.

  • São Francisco
  • Não lidera nenhum progresso tecnológico no setor industrial
  • 2 Como vender pela internet?2.1 Publicidade
  • Altas e baixas: Primeira Segunda de Outras ligas
  • 1 Série de tv

É como um suco de laranja concentrado”. E embora preocupa-se com os aspectos narrativos e cômicos dos ‘cómix’, também lhe emociona “a linguagem secreta estes, os elementos formais subjacentes que formam as ilusões. Como forma artística, a tira, apenas deixou para trás sua infância. Da mesma maneira que eu. De modo que talvez vamos crescer juntos”.

“Spiegelman”, diz Hoberman ao passar a página, “encobrir o contorno do paradigma da alta e da baixa cultura em todos os níveis”. E graças à sua arte, acrescenta, “a criação de histórias em quadrinhos e quadrinhos atinge um nível sem precedentes de consciência histórica, de inovação formal e de consciência pessoal”. E ao lado aparece uma vinheta em que o cartunista faz-lhe dizer a um personagem de Roy Lichtenstein: “Oh, Roy, sua arte elevado e morto está construído sobre arte menor e morto”. “Os desenhos extremamente diagramáticos de Spiegelman estão à luz de idéias”, diz o crítico-amigo. Seguindo por aí, Storr sintetiza o espírito do livro, em outro parágrafo: “Spiegelman se sente em casa, com a ‘enxaguar’ que, supostamente, apodrece as mentes imaturas, mas que provoca o curto-circuito dos cérebros conservadores.

nesta situação o encarregado da compra dispondo de informações sobre os diferentes distribuidores e apenas terá que estudar minuciosamente as possíveis alternativas, até conseguir o seu objetivo. Pode definir risco como a probabilidade de que aconteça um evento, impacto ou conseqüência adversa. Neste tipo de decisões, as possíveis opções de solução têm uma probabilidade conhecida de gerar um resultado.

nestes casos podem-se utilizar modelos matemáticos ou o decisor pode fazer uso da probabilidade objetiva ou subjetiva para estimar o possível resultado. A probabilidade objetiva é a possibilidade de que ocorra um resultado com base em factos concretos, pode ser números de anos anteriores ou estudos realizados para este fim. A probabilidade subjetiva que se determina o resultado baseando-se em opiniões e juízos pessoais e individuais de cada pessoa.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: