As Transformações Continuam Até Os Nossos Tempos

As Transformações Continuam Até Os Nossos Tempos

A monogamia (do grego de sua mãe, ‘um’, e gamos, ‘união’), no mundo animal, refere-se à relação do casal, que mantém um vínculo sexual exclusivo durante o período de reprodução e criação dos filhotes). A diferença de monogamia, existem outros modelos de relações que permitem vincular afetiva e sexualmente mais de duas pessoas ao mesmo tempo, como a poligamia (seja poliándrica ou poligínica), poliamor, entre outras. A monogamia em série refere-se à prática de restringir o contato sexual ou amoroso a uma única pessoa, por um tempo limitado, após o qual termina a relação para começar outra.

Embora, entende-se que nunca há mais de um parceiro ao mesmo tempo, na prática, costuma ter um período de sobreposição com o novo casal, mas também costumam existir períodos sem relação ou de solteiro. ] a comunidade mamífero, apenas 3% é monogâmico. Exemplos de mamíferos leis vigentes são: as orcas, alguns roedores.

Exemplos de aves monogâmicas são: os pinguins, os corvos, os papagaios e as águias. 5. Prevenção do incesto dos indivíduos adultos. ] em 185 sociedades humanas que está a menos de 16% restringem seus membros, a monogamia, mas somente 5% desaprovam sexo conjugal. Um vírus, processado geneticamente para expressar o referido gene, foi injetado no cérebro de ratos de partido, conhecidos por suas condutas polígamas.

Surpreendentemente, seu comportamento mudou radicalmente ao se tornar leis vigentes. A culturalização que impôs a expansão europeia expandiu a monogamia em todas as colônias, e de lá para o mundo ocidental até hoje. A sociedade ocidental se configura como forma aceitável e desejável de relação humana, a monogamia, sob um paradigma baseado no amor romântico, que hoje domina o pensamento planetário. Em uma forma inconsciente, as pessoas buscam ativamente estabelecer-se dentro de algum vínculo de casal, pois admitem que a relação é viável apenas entre duas pessoas.

Hoje em dia se inclui nessas pessoas, a todas as preferências sexuais. Apesar da expansão da cultura ocidental, na tradição muçulmana e em certos grupos étnicos adeptos da poliginia ou poliandria, têm conseguido manter a sua cultura de relacionamento até nossos dias e, até certo ponto.

Ao longo da história e de acordo com a cultura, a sexualidade tem transformado suas práticas. Existem duas teorias sobre a sexualidade natural humana. A clássica afirma que os humanos nos emparejamos mas mantemos uma estratégia mista: um casal de longa duração em que se concentra o grosso do esforço reprodutivo e links esporádicos, tanto por parte do homem como da mulher.

A esta teoria clássica enfrenta a proposta por Christopher Ryan e Cacilda Jethá em seu livro Sex at Dawn. Nela afirmam que a teoria clássica é incompatível com muitos factos ou da interpretação que se faz dos mesmos, não suporta o exame. Mesmo assim, afirmam que uma sexualidade de muitos homens, muitas mulheres foi a prática mais comum nas sociedades de caçadores-coletores, assim como o é também em bonobos e chimpanzés. Com o surgimento da agricultura e da pecuária aparece também a propriedade privada, a qual transforma a sexualidade em práticas monogâmicas, de forma que garante a continuidade do patrimônio familiar.

  1. Mantenha-se atualizado em tecnologia do Social Media
  2. Completar os seus dados e realizar o pagamento
  3. Atualizar conteúdo e editar página da web do seu celular com os aplicativos para iOS e Android
  4. Fornecer serviços de segurança em WordPress
  5. 9 ➤ Dicas sobre o formato do anúncio
  6. Vita Sackville-West, escritora britânica (n. 1892)

Assim, com o surgimento da família patriarcal, a sexualidade tem um duplo significado: como um fim reprodutivo, socialmente aceite dentro do casamento, ou como fonte de prazer, apenas para os homens.Com a chegada do judaísmo contínua transformação. O Antigo Testamento, que regula as condutas sexuais “adequadas”. Na Idade Média, a Igreja consolida seu poder, do que decorre que a teologia se adeque à lei civil. Assim, a Igreja apoia o casamento monogâmico e declara ao instinto sexual como demoníaco . As transformações continuam até os nossos tempos. Os fatos acima mencionados são apenas breves exemplos de variabilidade de conceição da monogamia e da sexualidade ao longo da história humana.

Assim, entendemos que a monogamia não é uma prática “natural”, nem parte da biologia humana, mas uma construção social que se tem vindo a transformar, a partir de discursos hegemônicos. Por outro lado, existem diferentes teorias que entendem a monogamia como uma consequência do sistema social baseado na propriedade privada.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: