As Sete Classes Sociais De A Nova Grã-Bretanha

As Sete Classes Sociais De A Nova Grã-Bretanha

A luta de classes que se sonhava o burguês Karl Marx terminou há muito tempo por desistência revolucionário do proletariado. Um ambicioso estudo, que será publicado nesta quarta-feira no Reino Unido, colocou rótulos até sete grupos sociais diferentes, e verificou as limitações do rígido espartilho conceptual com o que describíamos nossas sociedades até agora.

Apenas 39% da população britânica, por exemplo, caberia em que tradicionalmente colocou como “classe média” e “classe trabalhadora”. O estudo Great British Class Survey foi lançado em janeiro de 2011, o laboratório de “ciência cidadã”, da BBC, e participaram de mais de 160.000 pessoas no Reino Unido. É dirigido por Mike Savage, da London School of Economics, e Fiona Devine, da Universidade de Manchester.

“permite-Nos obter uma imagem mais sofisticada e diferenciada do que são as aulas”, explica Devine. Nos estratos mais baixos da darwiniana pirâmide social, os autores colocam o “precariado”, o novo lumpen proletariado do século XXI, com níveis precários de capital econômico, cultural e social, as três variáveis utilizadas para definir essas novas definições. Representam 15% da população, tendem a se relacionar com pessoas semelhantes a eles, e “tendem a não ter um espectro amplo de interesses culturais”.

A idade média é de 50 anos, e 80% de seus componentes vive em uma casa de aluguel. Sua renda apenas ultrapassa os 8.000 libras anuais. Os autores incluídos aqui, pessoal de limpeza, motoristas de vans de entrega ou prestadores de cuidados de saúde. Segundo o estudo, a chamada “classe trabalhadora” abrange agora a três outros grupos sociais diferentes.

  • 1591: San Juan de la Cruz entra na cidade, onde morre em 14 de dezembro
  • Quinta – feira- 14.00 horas
  • 2 O poder da marca
  • Vende seus melhores fotos
  • 10 dicas para vender mais com o Pinterest em sua loja online

O grupo com menos recursos económicos disponíveis seriam os “trabalhadores emergentes de serviços”. 19% da população estaria incluída nesta classe, composta principalmente por jovens urbanos residentes nos bairros menos caros de cidades como Liverpool ou Newcastle. Trata-Se do coletivo social mais jovem, com uma idade média de 34 anos de idade.

Ainda apresentam um baixo nível de capital econômico, gozam de um alto nível de atividades sócio-culturais, como ir a shows, fazer esporte ou usar as redes sociais. Incluem cozinheiros, auxiliares de enfermagem, assistentes ou assistentes de produção. Um nível acima, seguindo a escala social que desenha o estudo, estariam os chamados “novos trabalhadores ricos”, 15% da população. Ocupam o centro da escala social, com uma média relativamente jovem de 44 anos, e inclui pessoas que vem da classe trabalhadora, mas que alcançou uma certa segurança econômica, sem chegar a viver acomodado.

Não vão à ópera ou ao teatro, mas têm “muitos interesses culturais”, gosta de esporte, os concertos e são ativos nas redes sociais. Os autores pensam sobre todos os habitantes das grandes cidades industriais do norte da Inglaterra. Estes dois últimos coletivos “não se vêem necessariamente a si mesmos como uma classe trabalhadora ou classe média”, adverte Devine. A classe média é dividida em dois grupos, de acordo com o estudo.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: