As Pequenas Empresas Apenas Se Voltam Para O Grande Vitrine Digital

As Pequenas Empresas Apenas Se Voltam Para O Grande Vitrine Digital

São vitrines abertos as 24 horas do dia e os 7 dias da semana, com todo o seu catálogo de produtos e visível na exposição, que exigem menos investimento e menos pessoal para atendê-los. Estas são algumas das grandes vantagens que oferece uma loja virtual própria, que parece se tornar uma opção para a sobrevivência das pequenas e médias empresas na era digital.

embora o e-commerce decolou com força em Portugal, não termina vertical entre as empresas e micropymes, atemorizadas por competir com a infra-estrutura e logística dos grandes gigantes, entre outras coisas. Mas não resta mais remédio que pegar o trem do ecommerce. Os números assim o confirmam: de acordo com o Ministério da Indústria, 40% de espanhóis já realiza compras online de forma habitual, isto é, todos os meses.

Isso significa que existe um universo de mais de 18 milhões de consumidores que adquirem produtos e serviços através da web, lojas e plataformas online. Portanto, são potenciais clientes para todo aquele que tenha presença em um showcase na Rede. Apesar disso, em 2015, apenas dois de cada dez pmes espanholas (19,5%) vendia através da internet, de acordo com o estudo do eBay “As pequenas e médias empresas espanholas no âmbito online”, realizado por Madison Market Research.

em Números menores traz outra investigação Census Páginas Amarelas Soluções Digitais, que estima que apenas 14% das pequenas empresas tem e-commerce. Em 2016, foi 19%, de acordo com o Observatório Nacional das Telecomunicações e da Sociedade da Informação (ONTSI). A penetração do comércio eletrônico na pequena empresa é, portanto, insuficiente. “O comércio eletrônico está crescendo no nosso país de forma significativa. E isso que não há dúvida de que as vantagens deste novo canal.

“Uma loja online aumenta a possibilidade de aumentar as vendas, permite vender e cobrar a muitas mais pessoas, em qualquer parte do mundoy a qualquer hora. Além disso, reflete uma imagem de marca mais atualizada e uma maior transparência em relação ao cliente. Melhora a experiência de compra dos clientes e produz um efeito de repetição”, explica Domingo. Portanto, o que freia as pequenas e médias empresas para conquistar em cheio o comércio eletrônico? O pequeno comércio é o subsector onde mais se percebe a lacuna digital e o seu atraso na incorporação ao e-commerce, como indica José Guerreiro, secretário-geral da Confederação Espanhola de Comércio. “O comércio eletrônico é uma estratégia prioritária para ser mais competitivo.

o Nosso comércio é físico, mas deve ter mais canais e, especialmente, o e-commerce. Há que impulsionar essa omnicanalidad. Mas temos muitas limitações e menos capacidade que as grandes empresas. Estamos em inferioridade de condições”, queixa-se. Muitas empresas acreditam que as compras online são para as grandes superfícies e multinacionais, com muito mais capacidade de armazenamento, logística e de distribuição.

  • 4 Estrutura social da Guatemala
  • 1 Perda progressiva da privacidade
  • Como é pessoa
  • A dívida com bancos britânicos herdada do governo de José Maria Reyna Bairros.[188]
  • Subscrição transporte

Mas nada mais longe da realidade. “As empresas de logística estão diversificando seus produtos e serviços, e não apenas oferecem a recolha e transporte, mas também sistemas de armazenamento e depósito. As pequenas e médias empresas também utilizam os grandes marketplace como vitrine. “São plataformas muito adequadas para determinadas empresas. Não necessitam de um grande investimento inicial e permitem testar tanto a recepção do produto no mercado como a capacidade da empresa para enfrentar os processos logísticos e de atendimento ao cliente, que o novo canal requer. As lojas online são próprias adecuas para as empresas que têm um nível de maturidade digital maior ou que tenham atingido um determinado volume de vendas no mercado.

As próprias além disso, oferecem mais itens e o grau de diferenciação dos produtos”, explica Cuéllar, da Câmara de Espanha. Seja com loja online própria ou em um mercado, as pequenas e médias empresas têm uma grande oportunidade no ecommerce, o novo modelo de negócio que está absorvendo os novos hábitos de consumo. Uma pme tem várias formas de estar presente na internet.

Loja online própria: Há que criar uma página web que permita ter acesso a todo o catálogo de produtos visíveis com informações detalhadas. Aberta 24 horas por dia e 7 dias da semana. Marketplace: através destas grandes plataformas de uma pme pode expor seus produtos. Colocam em contato compradores e vendedores.

Já contam com um tráfego grantizado, sem custos de colocação em funcionamento e sem a necessidade de criar um site próprio. Flash sales: É um modelo de vendas rapídas que fazem ofertas e promoções on-line em um curto espaço de tempo. Dropshipping: Abrir uma loja online para a venda de produtos que produz, armazena e distribui outro fornecedor.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: