As Duas Identidades Que Dominam A Rede

As Duas Identidades Que Dominam A Rede

Leva calças muito apertadas. Use fio dental. Foi feito piercing ou tatuagem, muitas vezes, ambas as coisas. Recolhe-Se o cabelo: bem esticada para trás. Um dia, uma fila, um outro, um coque. Brincos grandes, sapatilhas e muita maquiagem. Nas fotos, quanto mais provocadora seja a pose, melhor. Eis uma choni.

E, assim, desenham-se os adolescentes. O que não se encaixa neste perfil pode pendurar a etiqueta de pau, agora percebida como uma noção neutra, um marcador de identidade contrário à etiqueta realmente definida e depreciativa: a de choni . Passam o mesmo tempo na pia. Alguns se pintado para parecer o mais natural possível e as outras sairão com os olhos emoldurados em preto.

alguns se farão as fotografias no mesmo lavatório para pendurar no Instagram, WhatsApp, Snapchat e (cada vez menos) Facebook e as outras vão buscar um fundo mais glamouroso. Todas precisam de visibilidade nas redes sociais. Querem ser populares -“popus” na gíria adolescente – e precisam de likes, quantos mais, melhor.

Em consequência, também o está a atitude dos jovens; e as etiquetas de choni e pija aparecem repetidamente para classificar e priorizar não só a sua estética e comportamento sexual, mas também sua classe social”, explica Tortajada. O estudo constata que as redes sociais têm reforçado um duplo padrão, que é onipresente e que faz com que as garotas -muito mais do que eles – sejam julgadas com dois parâmetros: o sexual e de classe.

  1. Mito Mineima. investigação. Editorial Biblioteca Libanense de Cultura, 2014
  2. 14:06. Se cumprem duas horas de conferência de imprensa do presidente Bartomeu
  3. O branding do futuro passa por saber vender ou transmitir emoções
  4. Facebook (96%). A que tem mais usuários e maior frequência de uso
  5. Os funcionários não podem compatibilizar a prestação com o seu trabalho na Administração

O trabalho foi feito a partir de sete grupos de discussão entre 16 e 20 anos. Participaram universitários, estudantes de ensino médio de diferentes centros e também de formação profissional para analisar o modo como viam a imagem de seus colegas nas redes e como projetavam a sua. “Em todos os grupos saíram dois únicos perfis: pau e choni”, afirma Mirian. No artigo as ejemplarizan com as imagens de Tamara Falco e Ylenia de Fortaleza-Shore. E a versão masculina, onde ficam o tempo e o cani? “, diz a pesquisadora.

as redes, a uma pija se lhe consente um semidesnudo “porque se considera que essa foto é artística ou sofisticada, enquanto que a uma choni a acompanha sempre um comentário depreciativo”, acrescenta. Mas também está exposta a receber críticas de caráter sexual, os participantes do estudo reconheceram que as pijas se lhes perdoa.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: