A Nova Vida Do Tesoureiro Naseiro Com Uma Jovem Marroquina

A Nova Vida Do Tesoureiro Naseiro Com Uma Jovem Marroquina

O timbre do telefonillo burburinhos em 814 m2 de mansão de Rosendo Naseiro, um palacete de 1890, em pleno centro de Madrid. Lá vive-se barricado o ex-tesoureiro do PP, que nem se preocupa em responder a chamada. Faz tempo que o galego apenas abre a porta de casa: se por acaso, há uma exceção quando um amigo seu galerista lhe enviar um catálogo de fotos. Aos 79 anos, a pintura é uma das paixões do Naseiro. A outra é Najia, sua segunda esposa, que dobra em idade. Sua ex-empregada marroquino, que o ajudou a superar a morte de sua primeira esposa em 2001, na colisão de um BMW em que viajavam ambos.

E, nesta semana, voltou a estabelecer-se em seu principal apoio depois que seu sobrenome saltara aos titulares, vinculado ao caso Gürtel. O galego tem alergia a papel desde há 25 anos, quando abandonou o PP por um escândalo de financiamento ilegal. Naseiro cedeu as contas Luis Bárcenas, um de seus protegidos em Gênova e, além disso, seu amigo pessoal. No dia seguinte à visita de Crônica em seu palacete, o sneaky Naseiro sim que dá sinais de vida.

Nunca falou com a imprensa.

Seu forte sotaque galego soa do outro lado do telefone quando retornar uma ligação perdida. Mas, quanto husmea que fala com um jornalista, vala a conversa com tom indignado. Não quero falar de Bárcenas. Nunca falou com a imprensa. Naseiro tem motivos para estar tensas. Enquanto isso, o lucense continua passeando quase todas as manhãs com sua segunda mulher, imune ao escândalo. Pelo menos de momento. A carta barceniana apresentou a Naseiro o lugar que mais lhe incomoda: os titulares.

  • 2 Empresas instaladas
  • 41 Conquista de Quito
  • 15 Congelamento de diálogos pelas FARC
  • Por onde devemos começar a procurar
  • Prepare-se para as reuniões
  • Test…: Leire Landa: “Tenho a mania
  • Coin City

A vez anterior foi em 2006, mas por um motivo mais agradável: a venda de 40 naturezas-mortas ao Museu do Prado, incluindo obras-primas de Meléndez ou Van der Hamen, por 26 milhões. Talvez pensou que essa glória ajudá-lo a limpar seu turvo passagem pela política. Depois daquela venda, Naseiro ainda conserva uma centena de telas.

Em plena velhice, acaba de lançar o seu último grande projeto: editar um catálogo de sua coleção, para o que foi recrutado para um especialista. “A arte é a sua forma de se divertir e de viver”, conta a irmã Maria. De todas formas, a sua coleção continua aberta. O verão passado, tentou leiloar uma de suas joias: natureza-morta, damascos e cerejas, Luis Meléndez (1771). A casa Sotheby’s estimou o valor da tela em 1,75 milhões.

no entanto, a peça não encontrou comprador. O desgosto de Naseiro foi semelhante ao que sofreu esta terça-feira, quando leu o aguijonazo de seu amigo na imprensa. Muitos barcenólogos os surpreendeu que o recluso arremetiera contra seu colega. Alguns acreditam que é uma mera tentativa de desviar a atenção.

Outros o interpretam como outra ameaça de revelar documentos engajador contra o PP. A partir de seu ambiente, negam que Bárcenas se tenha lutado com Naseiro. Em sua defesa, a alegação de que apenas pretende que Ruz investigar até o fim. E acredita que o testemunho de seu antigo mentor pode ajudá-lo. Já ocorreu em 2011, quando Naseiro lhe facilitou um álibi para refutar uma acusação de branqueamento de capitais.

O juiz investigava por que Bárcenas pediu um empréstimo de 325.000 euros em 2002 e o devolveu semanas depois. Em sua declaração, Naseiro explicou que, na realidade, o dinheiro era para ele: queria comprar duas naturezas-mortas, tinha um problema de liquidez e recorreu ao Bárcenas. Foi a última vez que o galego se deixou ver em público.

] e dois derrames. A jovem Najia, de 39 anos, com quem se casou há mais de cinco anos, foi a encarregada de cuidarle. Hoje, Naseiro apenas frequenta os antiquários em que erigiu sua coleção. Isso sim, continua saindo a passear pelos arredores do Congresso dos Deputados.

no final dos anos 80, quando ainda acreditava na política, esse era o seu templo. Hoje, naquela zona só traz más memórias. Naseiro desapareceu de circulação em 1990. Umas escutas em uma investigação por tráfico de drogas destaparon um suposto escândalo de financiamento ilegal na Aliança Popular, com ele entre os acusados. A trama não chegou a ser julgada por um defeito de forma, mas o seu nome ficou mancillado para sempre. Desde então, Naseiro lamenta-se, em privado, de que seu partido deixou puxado. Além disso, assegurou a seus íntimos que nunca teve contas na Suíça. E isso que, em suas declarações, Bárcenas reiterou que seu amigo dispunha de um depósito no Banco Gottardo (Lugano).

Joana

Os comentários estão fechados.
error: