A Educação, Uma Ferramenta De Prevenção Eficaz Dos TCA

A Educação, Uma Ferramenta De Prevenção Eficaz Dos TCA

Reconhecidos e diagnosticados há mais de dois séculos, os Transtornos do Comportamento Alimentar (TCA) tornaram-se a terceira patologia crônica psiquiátrica mais frequente em adolescentes, segundo explicou Montserrat Sánchez, presidente da Fundação Instituto de Transtornos Alimentares (FITA). Calcula-Se que em Portugal existem mais de 300.000 afetados pela doença, dos quais 10 por cento seriam homens.

A prevenção primária é fundamental para reduzir a sua incidência. Por isso, FITA e o Instituto Tomás Pascual Sanz para a Nutrição e a Saúde lançaram o livro Educar e crescer em saúde. O papel de pais e educadores na prevenção de transtornos alimentares. O manual é dirigido a pais, educadores, médicos de atenção primária e pediatras, mas também ao principal grupo de risco, os adolescentes. Ricardo Martí Fluxá, presidente do Instituto Pascal.Em 40 por cento dos casos, o prognóstico dos TCA é bom. 25 por cento dos pacientes melhoram parcialmente, 30, tornar-se crônica e 5 por cento morrem.

Os fatores genéticos, o ambiente social e familiar, bem como as mudanças típicas da adolescência, com incidência no aparecimento de TCA. No entanto, querer perder peso em uma busca pela magreza extrema é o ideal, e uma vez que começa a conduta restritiva aparecem a anorexia ou a bulimia.

  • Os estados unidos assinam James Southerland
  • Chamadas de Call Centre
  • Cura conteúdo de outras contas
  • 1 Departamentos universitários de história contemporânea

de Acordo com Sánchez, “os TCA são transtornos de difícil manejo, com consequências físicas e psicológicas graves, que afetam o desenvolvimento psicossocial, educacional e de identidade do paciente”. Aí reside a necessidade de melhorar as estratégias preventivas, que consigam modificar atitudes e comportamentos que garantam mudanças duradouras. Para que este trabalho seja eficaz deve envolver toda a sociedade na educação, afirmam ambos.

Desamparo legal de tais formas de assédio, já que, embora fechem um site com conteúdo sobre a vítima pode abrir outra imediatamente. É um modo de assédio encoberto. Não precisa da proximidade física com a vítima. O cyberbullying é um tipo de assédio psicológico que se pode praticar em qualquer lugar e em qualquer momento, sem necessidade de que o assediador e a vítima, corresponde nem no espaço nem no tempo.

Por exemplo, que abusa pode mandar uma ameaça de centenas de quilômetros a meia-noite e quem recebe o fará, na manhã seguinte, ao abrir seu e-mail. A onipresença e a difusão instantânea da internet faz com que o cyberbullying pode chegar a ser tão ou mais traumático que o assédio físico. De acordo com Antonio Chacón Medina, autor de Uma nova cara da Internet: O assédio, “o perfil genérico do assediador é o de uma pessoa fria, com pouco ou nenhum respeito pelos outros.

O ciberacosador se sente em uma posição de poder do anonimato que se percebe enquanto se está on-line, o que pode levar a crer que seus atos não terão qualquer impacto sobre ele. A vítima sente-se impotente. Seu isolamento psíquico, falta de comunicação, o desconhecimento destes sobre os fatos, a falta de solidariedade entre colegas, minam a força da vítima.

não tem Nada a ver com a imagem que pretende projetar o assediador de sua vítima com a realidade. Enquanto que a imagem pretende-se refletir uma pessoa pouco inteligente e vendidos. De acordo com Iñaki Piñuel e Zabala, um dos motivos por que os testemunhas aderem ao abusivos alguns dos colegas é porque eles não desejam ter problemas. Pensam que algo haverá fato da vítima.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: