A Crise Obriga Os Empresários A Procurar Novas Oportunidades De Negócio

A Crise Obriga Os Empresários A Procurar Novas Oportunidades De Negócio

Em tempos de crise, há quem chora e quem opta por vender lenços. Embora sejam muitos os fatores que determinam o sucesso de um negócio, a partir de um bom plano de negócios, uma boa organização ou dispor de financiamento–, em momentos difíceis, as boas ideias valem seu peso em ouro. E em uma conjuntura económica adversa, mais pessoas se tornaram empreendedores por necessidade.

as escolas de negócios onde se formam os futuros empresários têm claro: as épocas de crise são também tempos de oportunidades. As idéias afloram como nunca nas escolas de negócios, comoindica, Jordi Vinaixa, professor da Esade. Muitas podem parecer tolas, mas que é a alta dose de imaginação implantada onde se escondem as chaves do sucesso.

  • Babás viajantes
  • Existem provedores de e-mail que fornecem esse serviço em troca de uma fatia
  • Reduzir custos e ser mais eficientes
  • Condições de compra
  • 38 horas. O Arsenal abre-lhe a porta de saída para Walcott

González Hermoso de Mendoza corrobora essa tese: “Em época de bonança, os empreendedores se limitam a seguir os modelos que já funcionam. Ninguém arrisca e que, portanto, há pouca inovação”. Mas desde há um ano, as coisas são muito diferentes. Os empresários que passam por essas duas escolas de negócios trazem debaixo do braço, novos projetos, conscientes de que já não valem os que marcaram a última década. EOI. González avança que muitos desses empreendedores correm o risco de fracassar, mas se mostra convencido de que aqueles que obtêm com a idéia “vão dominar o mercado de trabalho do futuro”.

O mercado discernirá entre as boas e as más ideias. Entre as boas e as más organizações. E quais são os negócios do futuro? González e Vinaixa coincidem em afirmar que as energias renováveis e temas relacionados, como os veículos elétricos ou aparelhos de baixo consumo, vão marcar a tendência para os próximos anos.

Não é uma afirmação baseada apenas na teoria. O diretor de COMUNICAÇÃO ressalta que na última reunião de cúpula sobre o clima de Copenhague concordou em investir, durante a próxima década, oito bilhões de euros em políticas relacionadas com a sustentabilidade. No passado mês de dezembro foram apresentadas 110 projetos para os prêmios para as melhores ideias de negócio que organiza ACC1Ó, a agência do Departament d’Innovació do Governo que incentiva a competitividade das empresas catalãs.

Foram o dobro do concurso anterior. Neste caso, a idéia surgiu após ser detectada uma nova tendência no mercado com a compra de vinho. O segredo, afirmam os seus promotores, é uma distribuição muito rápida, uma ampla oferta de produtos de diferentes fornecedores e os custos muito reduzidos, por essa entrega, em questão de poucas horas, em domicílio. Nadal Gili deu o apito há pouco mais de um ano, quando as coisas começaram a torcer-se já no mundo da construção civil, setor em que havia trabalhado na última década.

E apostou na venda de motos e bicicletas elétricas, convencido –como dizem os formadores de empreendedores– de que os negócios relacionados com as energias alternativas marcam o mercado de trabalho do futuro. A empresa Mission Zero, com sede em Reus, vende em exclusivo em toda a Espanha e Andorra a moto E-max um scooter elétrico com desenvolvimento e engenharia alemãs, único no mercado por sua versatilidade, potência, autonomia e nulo manutenção.

O arranque do novo negócio em que embarcou Nadal Gili não foi fácil nestes tempos de crise, a despeito de tratar-se de um produto exclusivo no mercado. Mas para este empresário, em nenhum momento, pensou em jogar a toalha, convencido de que a aposta de negócio tem um grande futuro. Os cidadãos são cada vez mais conscientes da necessidade de consumir produtos que respeitem o meio ambiente e as motos elétricas são um exemplo de sustentabilidade. De fato, os primeiros interessados em entrar neste carro com as energias alternativas têm sido câmaras municipais e outras instituições públicas, que começam a comprar essas motos elétricas para seus funcionários públicos para pregar com o exemplo.

É a bicicleta elétrica.

As vendas de Mission Zero, revela seu presidente, começam, portanto, curada e o salto da gasolina, a eletricidade no mundo da moto já foi dado. Nadal Gili tem percorrido nos últimos meses, toda a Portugal para apresentar o novo produto. E a crescente demanda de motos observada desde há já alguns meses por parte de consumidores que acreditam nas energias verdes tem animado a esse empresário que se estabeleceu em Reus para abrir outro mercado. É a bicicleta elétrica. O produto que oferece é também exclusivo em Portugal –nestes tempos de crise há que fazer a diferença para o sucesso– e a resposta dos compradores tem sido muito positivo, desde o início.

Por exemplo Silicon Valley ou as zonas industriais italianas que concentram a indústria do calçado e do têxtil facilitam a competitividade das empresas. Fornecedores avançados. O contar com fornecedores tecnologicamente avançados e muito competitivos no ambiente próximo é uma vantagem competitiva para as empresas desse país. A existência de fornecedores que são capazes de fornecer componentes de qualidade a baixo custo facilita a competitividade de um setor e é um dos principais fatores para decidir a localização de uma instalação produtiva. As Administrações Públicas. O comportamento do governo e as diversas administrações públicas.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: