“A Biblioteca Também Deve Assumir A Alfabetização Digital De Seus Usuários”

“A Biblioteca Também Deve Assumir A Alfabetização Digital De Seus Usuários”

É meio-dia e a biblioteca Jaime Fuster, a jóia da coroa da plaça Lesseps de Barcelona, está até em cima de pessoas. E, pelo menos, um hospital que sessenta e usuários está conectada a um computador. A biblioteca, inaugurada há quatro anos, é um sucesso. José Rodríguez não a conhecia e ficou agradavelmente surpreendido. Quase um terço dos usuários que há agora esta biblioteca está usando os computadores do centro ou os seus próprios portáteis.

Até há pouco, as bibliotecas eram lugares tranquilos, pensativo, quase autistas e simples de administrar, onde se catalogaban as matérias, se ordenava o mundo, o conhecimento, e esperava-se que os usuários, os leitores, processar os conteúdos para proporcionar. E o próprio espaço da biblioteca incorporou essa idéia: espaços de leitura, com carteiras individuais, com flexos, para que a gente virasse sobre os textos.

A revolução digital nos traz uma expansão para outras formas de mediação e de acesso ao conhecimento, e a biblioteca não lhe resta mais remédio que se transformar. Já não pode continuar sendo apenas um lugar onde colecionar livros. Você tem que dar lugar a outras formas de acesso à realidade: textos digitalizados, livros, vídeos, gravações. E o espaço tem que se transformar em função disso. E cada vez mais é óbvio que os usuários têm que se integrar de alguma forma na gestão desse espaço.

como E de que forma se resolve isso? Há muitos modelos. Convivem as grandes, maravilhosas bibliotecas tradicionais, fechadas sobre si mesmas, onde cada um vai simplesmente a ler. Mas agora já podes encontrar bibliotecas que foram completamente transformados, e que são também espaços de criação, com zonas flexíveis e reconfiguráveis, que vão de uma sala de ensaios ou de gravação de até qualquer outra coisa.

  • Picar e Slingshot
  • Use títulos curtos, atraentes e impactantes
  • 5 Escassa formação do docente
  • Onde está o seu público
  • Menos problemas na hora de migrar o conteúdo para o teu hosting
  • Desenvolvimento de aplicações à medida para a Internet
  • Baixa 0,4% o número de autônomos em Euskadi em novembro
  • 28 de novembro de 2015 (Nintendo 3DS)

Ou bibliotecas que se tornam um ágora pública, que conta com todas as formas de acesso ao conhecimento, desenvolvida para todo tipo de público. O paradoxo é que agora muitos alertam que estes novos centros também não há que esquecer-se de criar uma sala de leitura, um espaço de tranquilidade, de reflexão, onde se possa ler em solitário.

A isso que antes ocupava todo, agora há que procurar um site, porque as bibliotecas vão achar pouco o que foram. As bibliotecas nórdicas, holandesas ou alemãs já levam tempo trabalhando com isso. E aqui na Catalunha, a rede de bibliotecas públicas de Barcelona provavelmente agora mesmo, seja em Portugal que mais se aproxima desse modelo. Passa-Se da biblioteca do centro cultural.

Claro. Como chamas já a isso? Pois o chamamos de biblioteca, mas é um centro polimórfico onde cabe tudo, que reúne todo o tipo de inputs e outputs culturais. A multidisciplinaridade começa com a Internet, que serve para quase qualquer coisa. O fato de que apenas uma parte das funções do site tenha a ver com as que tradicionalmente correspondem às bibliotecas representa um risco?

Não, é uma realidade extremamente rica, com a qual há que viver. A Internet é a janela maior que já existiu na história da humanidade para o conhecimento -e também para o desconhecimento e confusão, para tudo. Como você vai abrir mão disso em uma biblioteca? O desafio é como integrá-lo. Os estudos sobre os hábitos informacionais dos usuários de Internet indicam que, apesar de sua capacidade funcional é muito alta, o seu conhecimento ou a competência informacional é muito baixa. É o que você chama de analfabetos digitais.

os Meus filhos não precisam de instruções para usar a Internet, porque nasceram com essa tecnologia, e, portanto, para eles, é uma mediação natural para as coisas, mesmo que para ti e para mim, a coisa é um livro. Mas a questão é se isso é suficiente, e não é. E trata-se de que, em boa medida, a biblioteca também assumir o papel de alfabetização digital de seus usuários, porque não basta ser alfabetizado na leitura, apesar de que esta seja a base. E isso, como se faz? A biblioteca deve ter programas de educação em fontes de informação.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: