Parador De Alcala De Henares

Parador De Alcala De Henares

Prémio Cidades Patrimônio da Humanidade, a intervenção no Património. O Parador de Alcala de Henares é composto de dois edifícios singulares com mais de quatrocentos anos de história. A “Pousada do Estudante”, fundada em 1929 sobre o antigo Colégio Menor de São Jerónimo ou Trilíngue. Na trama, nº 14, foi o Colégio de Mercedários Calçado, na área do atual jardim esculpido.

A, beco do Poço lhe separava do Colégio de São Basílio. Na parcela 15 foi o Colégio de Cavaleiros Manriques e corresponde aproximadamente à entrada e hall de entrada do parador. No lote 16, foi fundado o Colégio dos Dominicanos de Santo Tomás de Aquino. Ao longo de 1802 há diferentes posições governamentais referentes ao estabelecimento de unidades militares em Alcalá. Uma delas referia-se à formação de uma nova unidade: o Real Corpo de Sapadores-Minadores, para cujo aquartelamento dispunha-se o edifício da Companhia de Jesus.

  1. 5 Divisão territorial
  2. 5 Nossa Senhora das Dores
  3. 6 Torre do sino
  4. Linha com as mesmas cores

procedeu-Se ao reconhecimento de Escolas de Aragão e Leão para verificar se eram capazes de acuartelar o Regimento, mas o parecer foi negativo, principalmente por estar separados um do outro. O único capaz seria o Colégio de São Basílio, apesar de ser ligeiramente mais pequeno do que o dos Jesuítas precisaria ser aumentada com os edifícios da Mercê Calçada e do Colégio dos Manriques.

com este relatório foi decidido que a ocupação dos edifícios se tornasse efetiva, procurando, em primeiro lugar, alojamento para as três comunidades que iam ser despejadas de suas casas. O Colégio dos Manriques foi transferido para o antigo Colégio dos Manchegos. Mais problemático foi o transporte das duas comunidades de religiosos que, finalmente, decidiu-se fora, no antigo Colégio de Aragão para os Mercedários e o de Leão para os Basilios.

Durante a Guerra da Independência, os franceses tornaram-se fortes em torno do palácio arquiepiscopal, abandonando o resto de edifícios que haviam servido como quartéis para as tropas espanholas. Este abandono foi o saque sistemático de seu mobiliário e os elementos arquitectónicos aproveitáveis por que sofre a população civil. Após o retorno do exército português teve que derrubar o convento dos Mercedários Calçados, pelos danos estruturais que havia sofrido.

Em 1824 ficar em Caldas da Guarda Real. O grande contingente de pessoal da mesma leva a ocupar o Colégio dos Manriques e durante a sua estadia na cidade até 1826 atuam como forças de ordem pública. Seguindo com a reforma e reorganização do exército, em 1829, foi aprovado o plano de estudos dos alunos de Artilharia, designándose Alcalá para sede da Academia da Arma. O primeiro edifício que se ocupa é o de Manriques e o vizinho solar do antigo convento dos Mercedários, já que haviam continuado pertencendo ao Estado.

Após a guerra carlista e a exclaustración, aproveitando que tanto os edifícios religiosos como os universitários estavam vazios, não houve problema para encontrar um alojamento para as tropas que Espartero havia trazido para a defesa de Madrid. Foi o segundo Parador de Turismo, inaugurado em 1929, pelo rei Afonso XIII. Ocupa duas alas do antigo Colégio Menor de São Jerónimo ou “Trilíngue” do século XVI, obra de Pedro de Cotera.

Sob este jardim esculpido e em dois andares, que se agrupam 98 quartos com vista para vários pátios ornamentais. As restantes 21 quartos localizam-se nos antigos seminários do século XIX para o modo de ponto de vista sobre o jardim esculpido. Galeria de piso térreo do claustro. Galeria de piso térreo do claustro. Galeria de andar do claustro.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: