Foi O único Que Vestia Formal

Foi O único Que Vestia Formal

Felipe comeu com uma quinzena de colegas do colégio em Ponto Básico. Foi o único que vestia formal. Nesta terça-feira, 24 de abril, o Rei Felipe assistiu a uma refeição multidão de antigos colegas do colégio Santa Maria de Roseiras em Madrid. Teve lugar no restaurante Ponto Básico localizado na rua marqués de Urquijo de Madrid, junto a Rosales, especializado em cozinha de mercado.

No citado local, havia feito uma reserva para 18 pessoas, mas nenhum funcionário tinha a menor idéia de que o Monarca estaria entre os participantes, o que foi uma enorme surpresa quando se apresentou. A diferença do resto dos comensais, cujo traje era informal, Felipe ia trajeado com um diplomata cinzento e gravata azul, já que vinha de um ato institucional. Felipe e seus amigos optaram por degustar o menu do dia, em vez de comer a la carte.

  • 1 A família de Carlos IV e de outros retratos
  • As pontas de flechas ou dardos que devem ser planas e fabricadas com borracha ou plástico
  • Naturalismo: Os deuses eram os elementos, os fenómenos atmosféricos e os corpos celestes
  • 1 História 1.1 Interação entre uto-asteca e maia
  • Não use este canal para anunciar conteúdos comerciais
  • Com carrinhos de bebê

Depois de um aperitivo à base de presunto de bolota, o Rei inclinou-se por comer umas cogumelos de entrada, pescada de segundo e torrijas de sobremesa, tudo regado com um tinto das bodegas López de Haro. Após a animada mesa, em que circularam todo o tipo de brincadeiras e histórias da época de estudante, o Rei, como é seu costume, quis cumprimentar o pessoal que lhes havia feito.

De suas casas (Carmona, “Tramores”, “Cuscuz”, a França ou a da praia) todo mundo dizia que quanto menos dinheiro tinha, melhor o fazia. A casa que alugou na praia, em Rio Verde, para não ter que subir a Tramores no verão as noites, era linda. E o fez com quatro duros.

Misturar era o que melhor lhe saía. Ele mesmo se misturou a sua parte tangerina popular com o british mais sofisticado. Todas as suas influências se revelam lá e misturava, cores, tecidos… Ele dizia que não tinha bom gosto, mas olho bom”. Conchita da Lastra de Março. Outra de suas clientes e grandes amigas, para as quais trabalhou em várias de suas casas. “Jaime Parlade era meu amigo da alma, além de um senhor excepcional. Culto, com muito mundo, divertido e hilariante.

Curioso de tudo, colocava paixão em tudo o que fazia, sempre que o blog do projeto e, principalmente, o cliente. Como profissional, o seu gosto era delicioso cruzando fronteiras. O seu sentido de cor, para mim, era uma de suas grandes qualidades. Foi o Matisse da decoração. Nós veremos muito menos”.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: