Edição De Quarta-Feira, 02 De Fevereiro De 1910, Página 4

Edição De Quarta-Feira, 02 De Fevereiro De 1910, Página 4

a Página.—Quarta-feira, 2 de Fevereiro dê 1910, A VANGUARDA Jaime Doméneeh, don. João Francitorre, donJaime Teres Gristóíul, dom José Secall e dom José Redondo. Lagos, dom José Gassó e Martí, recebeu do capitão geral, a seguinte comunicação: “O Excmo. Comandante geral de’Alabardeiros, em telegrama de 27 do atual, me diz o que segue:S. M. o Rei deseja que V. E. em seu real nome dê as graças para as sociedades quehan presenteado com um banquete à oficialidade proveniente Lagos e manifestar a todas susatisfacción por telegrama recebido.

O que tenho o prazer de transmitir a V. E. para seu conhecimento e satisfação, como presidente da comissão organizadora do banquete citado, rogando-lhe’ sirva comunicá-lo a todas as sociedades que contribuíram alobsequio. Deus guarde a V. E. muitos anos. Barcelona 29 de janeiro de 1910.—Valeriano Weyler ” Esta comunicação, em atento ofício, foi transmitida a todas as entidades que prestaram a sua adesão e concurso a tão patrióticoacto. 1910 é celebrado em Vic e solicitando um subsídio para a promoção dos garanhões gara – ñones (jumentos pais); outra, a d& a Federaciónde).

A pintura desta época tem um tom mais sentimental, com formas mais doces e macias. O período de maior apogeu se deu entre 1650 e 1750, época em que aparecem uma série de mestres trabalhando no México, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. A cultura barroca demonstrou uma grande paixão por temas mitológicos, especialmente nas pinturas dos arcos triunfais que foram construídas para a entrada dos vice-reis e outros grandes personagens.

Outros temas de grande interesse foram os dedicados à iconografia da Bíblia, impulsionada pelo espírito da contra-Reforma. AA.VV. (2005). O palácio do rei planeta. Filipe IV e o Bom Retiro. Museu do Prado, Madrid, catálogo da exposição. AA.VV. (1991). Enciclopédia da Arte Garzanti. Agulló Cobo, Mercedes (1981). Mais notícias sobre pintores madrilenos dos séculos XVI ao XVIII. Lisboa, câmara Municipal de Lisboa, Delegação de Cultura. Angulo Iñiguez, Diego, e Pérez Sánchez, Afonso E. Pintura madrilenha do segundo terço do século XVII, 1983, Lisboa, Instituto Diego Velázquez, universidade de lisboa. Museu Nacional, José Maria de; Pérez Sánchez, Afonso Emilio; Ramírez Domínguez, João Antonio (1983). História da Arte.

  • Coro dos conversos
  • 5 Grafitismo e pixelismo
  • 4 O Couro
  • 3 Como decorar a escada da casa em natal 2018 – 2019
  • Potus ou fotos
  • O monte submarino Eratóstenes situado no mar Mediterrâneo leva seu nome

Brown, Jonathan e Elliott, J. H. (1985). Um palácio para o rei. Burke, Marcus e Cherry, Peter, (1997). Collections of paintings in Madrid, 1601-1755. Getty Publications, Os Anjos. Antonio Trindade (1989). O século XVII português. Gállego, Julián (1995). O pintor, artesão artista. Jordan, William B. (2005). João van der Hamen e Leão e a corte de Madrid.

López Torrijos, Rosa (1985). A mitologia na pintura espanhola do Século de Ouro. Marias, Fernando (1989). O longo século XVI. Morán, Miguel e Checa, Fernando (1985). O coleccionismo em Portugal. A câmara de maravilhas para a galeria de pinturas. Pérez Sánchez, Afonso-Emilio: O SÉCULO XVII: O SÉCULO DE OURO, no artigo “Portugal” (págs.

“O barroco português. Pintura”, págs. Pintura espanhola de naturezas-mortas e vasos de 1600 a Goya. Lisboa, Ministério da Cultura, catálogo da exposição. Pintura barroca em Portugal (1600-1750). Madrid, Cátedra. ↑ Pérez Sánchez (1992), pág. ↑ Pérez Sánchez (1992), págs. ↑ Pérez Sánchez (1992), pág. ↑ Jonathan Brown, “Filipe IV, como mecenas e colecionador”, no palácio do rei planeta (2005), pág. ↑ Brown e Elliot (1985), págs.

↑ Jonathan Brown, “Filipe IV, como mecenas e colecionador”, no palácio do rei planeta (2005), pág. ↑ Jonathan Brown, “Filipe IV, como mecenas e colecionador”, no palácio do rei planeta (2005), pág. ↑ Portús (1998), págs. ↑ Pérez Sánchez (1992), pág. ↑ Pérez Sánchez (1992), págs. ↑ a b Pérez Sánchez (1992), pág. ↑ Pérez Sánchez (1992), pág. ↑ Morán e república Tcheca (1985), págs.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: