Depois Da Queda De Napoleão

Depois Da Queda De Napoleão

O estilo Império (em francês: style Empire) é um estilo artístico dominante, essencialmente, na decoração de interiores, mobiliário e moda, que se insere dentro do movimento neoclássico, e em concreto do neoclassicismo português. Toma o seu nome do período do governo de Napoleão bonaparte na França, conhecido como o Primeiro Império Francês. O estilo Império se expressou, sobretudo, no gasto de residências imperiais, como as de Paris, Saint-Cloud, Fontainebleau, A Compiègne, ou o Grand Trianon, além de residências particulares como a Malmaison ou o Hôtel de Beauharnais.

No auge da Revolução Francesa, durante o Reinado do Terror, os membros da Convenção e o “incorruptível Robespierre”, procuraram inspirar-se na Roma Antiga. Para eles, a República Romana, com seu idealizada austeridade, simplicidade e estoicismo foram o modelo a seguir. No entanto, com a chegada ao poder de Napoléon foi a bomba do Império Romano que tomou o seu lugar.

  • 5 Prairie School
  • 1 likesMe gosta
  • parece macabro
  • Com o labirinto, procurando-se o centro de si mesmo. Confusão, auto-reflexão
  • O Convento de Cristo de Tomar, onde sobressai a famosa janela oeste da Sala Capitular
  • Tags para mamães viajantes
  • 4 Atividades culturais
  • A MENINA DO JORNAL

O estilo Império, rejeitou as formas primitivas e mais puras do que haviam caracterizado o neoclassicismo do século XVIII, e em especial do estilo Luís XVI, para abraçar as formas reiterativas, a extravagância e a contundência. Também Napoléon, como no momento em que os líderes revolucionários, via-se um poder propagandístico na arte.

A onipresença e a repetição dos mesmos símbolos (“Ns”, abelhas imperiais, o águia) em estilo Império lembrava a profusão decorativa do reinado de Luís XIV, o Louvre e Versailles. Em resumo, podemos afirmar que, sob o estilo Império, a influência da Idade se apaga de conteúdo ao mesmo tempo que se acentua o valor formal e teatral, seu decorativismo anuncia já, os revivals do século XIX.

Luis XV ou leves do estilo Luís XVI, adotam uma aparência rígida, sólida e formas geométricas básicas. XVIII, que preferiu o branco ou os tons pastel. Depois da queda de Napoleão, o estilo foi adotado por outros países europeus, desejosos de emular a glória imperial napoleônica. Reino da Baviera, sob o reinado de Luís I, que visava converter-se em Munique a “Atenas do Isar”, construindo a pitoresca parte antiga, a Ludwigsstrasse ou novos aposentos na Residenz, destacou, sobretudo, o arquiteto Leo von baseada em munique, capital.

Reino Unido, sob o reinado de Jorge IV se encarregaram grandes projetos urbanísticos como a Regent Street ou o Regent’s Park, além de gasto dos palácios reais de Carlton House e Buckingham House obra de John Nash. Nesse país, o estilo Império adotou o nome de estilo Regência. No centro-europa germano, estilo Império, como ficou conhecido o estilo Biedermeier.

Muitas das primeiras, como Hagia Sophia, na atual cidade de Istambul, haviam sido originalmente igrejas ou catedrais durante o Império bizantino. Os otomanos mantiveram seus próprios projetos de tradição arquitetônica romana para as mesquitas, caracterizados por grandes cúpulas centrais, minaretes múltiplas e fachadas abertas. O estilo otomano das mesquitas incluía geralmente elaboradas colunas, navios e tectos altos no interior, ao mesmo tempo em que incorporava elementos tradicionais, como o miḥrāb.

Hoje em dia, a Turquia continua recebendo muitas mesquitas que mostram este peculiar estilo arquitectónico otomano. As mesquitas foram-se espalhando gradualmente por diferentes partes da Europa, onde aumentaram especialmente durante o século XX, quando muitos muçulmanos emigraram para o continente. As grandes cidades europeias, como Roma, Londres, Munique, acolhem mesquitas que mostram as tradicionais cúpulas e minaretes.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: