Decoração Por Países: Transforme Sua Casa Em Uma Digna Embaixada Do Japão

Decoração Por Países: Transforme Sua Casa Em Uma Digna Embaixada Do Japão

com Certeza já sabe que o estilo japonês é tendência, este ano, em famílias mais sofisticados do mundo. O famoso Salão Internacional da Cerâmica para a Arquitetura e casa de Banho de Bolonha (Cersaie), por exemplo, foi eleito nesta edição a sua elegante e exótica cultura milenar como protagonista. Mas se você é um admirador desta venerável civilização, negligencia a: não há necessidade de uma árvore de cereja para que vai para a sua casa alguns de seus detalhes mais representativos. Basta que tome nota de algumas de suas características mais acessíveis-e igualmente reconhecíveis – para propor um novo ar entre as suas paredes favoritas. A decoração japonesa responde a três princípios básicos: simplicidade, sobriedade e natureza.

A harmonia entre objetos e espaços, é obrigatória, buscando o equilíbrio zen para transmitir calma e bem-estar. As linhas são retas. Os materiais, naturais. Algodão, linho, papel e madeira reina acima de tudo, encimados por pedras de diferentes tipos. Cortinas, flores e vasos, sempre austeros e pouco recarregados, povoam paredes e prateleiras. Como contraponto cromático se pode empregar o verde, e os acabamentos lacados também abundam (embora menos do que no estilo chinês, onde tudo brilha, literalmente). No Japão, são quase 130 milhões de pessoas.

E a sua densidade de população, de 336 Km2, é uma das mais altas do planeta. Isso faz com que tenham integrado profundamente no seu dia-a-dia a necessidade de aproveitar ao máximo cada metro quadrado de suas casas. Por isso, seus móveis costumam ser multiusos, suspensos, muito prático e pouco volumosos.

  1. o Que são as suculentas
  2. Em Guadix, a Igreja de São Francisco
  3. 1 Património da Humanidade
  4. 3 Estilo Gótico
  5. Chupa chup
  6. 2 Na América
  7. Cuidado com portas e janelas através das correntes de ar
  8. 1 A rendição de Breda

Outro tipo de painéis, estes de papel, servem igualmente para separar espaços de forma sutil e sem necessidade de obras (embora a intimidade pague um alto preço por isso). O tatame no chão, junto com as persianas de madeira, biombos e cortinas de bambu, um conjunto de elementos que se movem imediatamente ao lendário arquipélago japonês. A natureza também está muito presente em seu interior. Bonsai, rochas, especialmente negras, vulcânicas, de uma grande beleza – e outras plantas são uma forma elegante e muito econômica de fornecer esse ponto japão.

A cerâmica, por último (e voltando de novo ao começo de nosso post de hoje é uma das escolhas mais acertadas para honrar este estilo decorativo tão prazeroso para nossos sentidos. Diga-nos, qual de todos esses elementos nipônicos irá levá-lo primeiro à sua casa? O que é o que mais e o que menos se convence de seu interior?

C. A. Isermeyer, Die Villa Rotonda von Palladio, na “Zeitschrift für Kunstgeschichte”, 1967, pp. R. De Fusco, M. L. Scalvini, Significanti e significati della Rotonda palladiana, em “Op. cit.”, 16, sett., 1969, pp. G. G. Zorzi, Le ville e i teatri di Andrea Palladio, Veneza, 1969, pp. R. Cevese, Ville della Provincia di Vicenza, 2 voll., Milão, 1971, vol M. Fagiolo, Contributo all’dell’interpretazione ermetismo in Palladio, em “Bollettino do C. I. S. A. Andrea Palladio”, XIV, 1972, pp. 357-380, em part. pp.

D. alexandre, nuno, Il disegno come fase progettuale dell’attività palladiana, em “Bollettino do C. I. S. A. Andrea Palladio”, XIV, 1972, pp. 45-62, in part. pp. R. Cevese, L’opera de Palladio, R. Cevese , Mostra do Palladio, catálogo da mostra, Milão, 1973, pp. 43-130, in part. pp. A. Corboz, Per un’analise psicológica della villa palladiana, em “Bollettino do C. I. S. A. Andrea Palladio”, XV, 1973, pp. 249-266, in part. pp. L. Puppi, Andrea Palladio, Milão, 1973, pp. P. Fancelli, Palladio e Praeneste. J. McAndrew, Catalogue of the Drawings Collection of the Royal Institute of British Architects.

H. Burns, L. Fairbairn, B. Boucher , Andrea Palladio (1508-1580. The Portico and the Farmyard, catálogo da mostra, Londres, 1975, pp. M. Kubelik, Andrea Palladio, catálogo da mostra, Zurique, 1975, pp. D. Battilotti, Nuovi meio per Palladio (com um’aggiunta aid ao Fasolo), em “Arte ” Veneta”, XXXI, 1977, pp.

AA.VV., Restauri dei monumenti palladiani. Diversão aspetti dei um problema di tutela, catálogo da mostra, Verona, 1980, pp. D. Battilotti, Vicenza ao tempo di Andrea Palladio attraverso i libri dell’estimo do 1563-1564, Vicenza, 1980, pp. K. W. Forster, Is Palladio’a Villa Rotonda an Architectural Novidade? K. W. Forster, M. Kubelik , Palladio: ein Symposium, Roma, 1980, pp. D. Goedicke, K. Slusallek, M. Kubelik, Primi risultati sulla datazione di alcune ville palladiane grazie alla termoluminescenza (TL), in “Bollettino do C. I. S. A. Andrea Palladio”, XXII/1, 1980, pp.

97-118, in part. pp. P. Marini, Note, in A. Palladio, I Quattro Libri dell’Architettura, adaptação de L. Magagnato e P. Marini, Milão, 1980, pp. W. Prinz, Appunti sulla relazione ideale tra a villa Rotonda e o cosmo, nonché alcune osservazioni um mascherone posto no centro do pavimento da sala, em “Bollettino do C. I. S. A. Andrea Palladio”, XXII/1, 1980, pp. F. Rigon, Palladio, Bolonha 1980, nn. N. Stringa, Sulla Rotunda.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: