Decoração Por Países #6: O Sonho Americano

Decoração Por Países #6: O Sonho Americano

Se, como 90% dos espanhóis, se você tiver criado assistindo filmes de Hollywood, hoje você vai se sentir extremamente em casa. E é que essa colonização cultural que temos mamado por audiovisual desde muito pequenos, deixa vestígios. E quando te enamoraste do próprio amor, vendo O jornal do Noa? Aqueles cenários fabulosos não se retrotraían ao povo de sua avó, mas o povo de Seabrook, Texas. E as suas casas de madeira, fabricadas a martillazo vivo pelos vizinhos do povo, aquelas que o Superman acabar de lado a lado, sem pestanejar, te parecia o lugar perfeito para experimentar o seu primeiro idílio romântico.

E hoje eu vou prestar um sentido homenagem por todos os bons momentos que passámos entre namoricos, duelos, vinganças, contatos com extraterrestres e histórias de superação pessoal. O estilo americano é claramente reconhecível por seus grandes espaços, tanto em projeção horizontal como vertical. Também tem elementos bem típicos como passatempo por enmoquetar pisos e paredes em muitas fazendas, e que podem ser um perigo real para a nossa saúde ao tornar-se centros de ácaros, pó e outras sujidades e agentes alérgenos. É muito melhor idéia, ao contrário, substituir estes tapetes por grossos tapetes que podem limpar e recolher com conforto uma vez passe a estação fria. Outro grande hit da decoração norte-americana, importado diretamente do Reino Unido, é a tendência para instalar papéis de parede de parede. Isso sim: os papéis pintados para estadias “pouco” de guerrilha”, como salões ou determinados quartos.

A sua chegada a Madrid, começa a fase mais produtiva de sua produção literária. Suas primeiras obras apresentadas foram As paredes ouvem e Os seios privilegiados, ambas com moderado sucesso. Logo foi conhecido no círculo literário de madrid, embora nunca estabeleceu vínculos profundos com nenhum de seus integrantes. Pelo contrário, ganhou a inimizade de outros.

  • De Augustobriga ou Talavera-a-Velha, perto de Bohonal de Ibor (Cáceres)
  • 2 A crítica ilustrada
  • Direitos da mulher
  • Árvore Papa-Noel
  • Escultura Don Miguel Hidalgo, no município de Cosala
  • Arquitetura

Se conservam muitas redondilhas satíricas e alusões, disfarçadas em Alarcón, que sempre foi ridicularizado por seu físico —era corcunda— e por sua origem americana. O que, por sua vez, respondeu que a grande maioria dos ataques para com a sua pessoa e nunca deixou de escrever. Foi levantada uma hipótese sobre a possível colaboração de Ruiz de Alarcón e Tirso de Molina, um dos mais famosos escritores de seu tempo e de quem mais influenciou a sua obra. Não existem provas escritas sobre a colaboração de ambos, embora se supõe que, pelo menos, duas das comédias de Tirso, publicadas na Segunda parte (Madrid, 1635), pertencem a Alarcón.

Com a subida ao trono de Filipe IV, em 1621, o teatro assumiu uma grande importância na corte real. Alarcón logo se envolve em uma vantajosa amizade com o genro do poderoso Conde-Duque de Olivares, Ramiro Felipe de Gusmão, a cuja sombra cresceu ainda mais como poeta. Entre 1622 e 1624 escreve A amizade castigada, O dono das estrelas e a grande maioria de suas peças teatrais. A partir de 1625, havia servido no Conselho de Índias, graças à intercessão de seu amigo Ramiro Felipe de Gusmão. Durante os primeiros meses de 1639, a saúde de Fortaleza começou a se deteriorar.

Deixou de assistir às reuniões do Conselho de Índias, e foi substituído no seu cargo de relator. Em agosto ditou seu testamento, onde guarda todas as suas dívidas e devedores. Morreu na manhã de 4 de agosto e foi sepultado na freguesia de São Sebastião. Filho caçula de oito irmãos, estava relacionado com o famoso poeta barroco do Cultismo Luis de Góngora.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: