De Viagem Por Nova York De Josep Font

De Viagem Por Nova York De Josep Font

É difícil não se apaixonar por uma das cidades mais incríveis que existem. Nova York sempre tem algo novo que ensinar, por muitas vezes que visitar o local. E desde a primeira vez que percorre suas ruas te faz sentir em casa. É Por isso que tem tantos fãs rendidos. Um deles, o diretor criativo da assinatura Delpozo, Josep Font, exerce o anfitrião com a nossa revista. Arquiteto de formação, o que mais gosta da cidade, o designer é o seu caráter moderno, que permeia tudo, começando por seus belos museus, que poderá informar-se no Escritório de Turismo de Nova York.

Visitas obrigatórias são o MOMA, o Metropolitan e o Guggenheim, as pinacotecas mais famosas da cidade e as que maior número de público recebem, mas existem outras jóias, muitas vezes desconhecidas e situadas fora das rotas turísticas habituais. É o caso de The Frick Collection (1 East 70th Street), “visita obrigatória quando estou aqui”, comenta Font. Trata-Se de um museu localizado na que fora residência do magnata do aço, Henry Clay Frick, uma mansão de 16 quartos desenhada por Thomas Hastings, em 1913. Ninguém esperaria encontrar este edifício entre a Quinta e Madison Avenue.

  • faça Download do modelo 3D para o Google Earth: Casa Dos Canivetes
  • Poda incorreta
  • 17 DE DEZEMBRO DE 2010
  • 9 de dezembro de 2009 Olá a todos
  • Antiga Reitoria, Kedleston Hall (c. 1761)
  • Breve metodologia para decorar
  • 40 a 100 libras para a viúva, em caso de morte

Tanto a construção como a decoração interior deixam sem fala, uma espécie de outro mundo no coração da agitada Manhattan. A visita permite o acesso a todos os cômodos da casa e ver, entre outras, obras de artistas como Vernier, Goya, El Greco e Rembrandt. Além disso, a Josep Font adora o Madison Square Art, dentro do parque Madison, onde instalam peças de arte contemporânea, várias vezes ao ano.

um dos atrativos de Nova Iorque são os seus recantos verdes, que aparecem nos lugares mais insuspeitos. Central Park, pulmão natural da cidade, é o parque preferido do designer: “Eu gosto de parar para observar os skatistas da pista de gelo, me lembra o ritmo de Skating in Central Park ‘Love Story'”, comenta.

Muito diferente, mas igualmente apetitoso é Gramercy Park, um bucólico parque privativo localizado no Leste, entre as ruas 20 e 21, que é acessado com chave. Vista da cidade. Nova York é o paraíso para os amantes da arquitetura. Loja no West Village. A cidade também é sinônimo de ‘shopping’. O negócio foi inaugurado em 1927, a Quarta Avenida.

era Então conhecido como Book Row, mas em 1956 mudou-se para sua localização atual. Seu caráter familiar se deixa perceber a implicação que mostram os funcionários, sempre dispostos a recomendar leituras em função dos gostos pessoais de quem procura ajuda. Após a arte, os parques, a cultura e o ‘shopping’ nada melhor do que reconfortar a alma e o estômago com a gastronomia.

para Onde vai o designer quando sente país saudade da comida espanhola? A Casa Macaco (125 E 17th Street), um exclusivo restaurante de tapas, onde estas são cozidas em uma barra à vista do público: “Não parece que esteja em pleno centro de Manhattan”, diz. Também gosta de Bobo West Village (181 West 10th), um local francês que ocupa um prédio inteiro em que cada quarto é um salão de beleza. Outros endereços que se destacam pela sua oferta gastronómica são The Library (540 Park Avenue) e The Public (210 Elizabeth Street). Também não pode faltar um bom brunch, tratando-se da cidade que inventou o conceito. Font recomenda o do Hudson Clearwater (447 Hudson Street), de acordo com ele, “parada obrigatória”.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: