Cursos Gratuitos Para Jovens Artistas Em IED Madrid

Cursos Gratuitos Para Jovens Artistas Em IED Madrid

Estamos diante do último fim de semana do verão de 2016. Semana que vem começa o outono, então, nada melhor do que fazer planos diferentes para se despedir nossa estação favorita do ano por todo o alto. Essas oficinas também pode ser uma grande oportunidade para que os jovens passem um tempo com seus pais, já que podem acompanhar as crianças à oficina, se assim o desejarem.

mais Uma vez, foi a visão das mulheres de sua vida a que purificou os seus pensamentos. A estadia era ampla e contava com todo o mobiliário que podia esperar-se de um quarto de uma princesa. Armários, cômodas, um par de banquetas, e até mesmo um pequeno jogo de cadeiras e mesa para tomar o chá com os convidados (geralmente outros membros da família). Tudo era feito com as melhores madeiras, tratado com produtos mais caros e trabalhado por artesãos mais perfectionists de Mautjal, mas eram invisíveis para o Sawar. Toda a sua atenção estava posta sobre suas filhas.

Izdi, a mais jovem, estava sentada no chão, sobre uma multidão de almofadas macias e com as costas contra o rebordo da cama. Aos seus quinze anos, Izdi normalmente demonstrava uma inteligência precoce e um caráter de ferro. Naquele momento, seus grandes olhos castanhos irradiavam confusão e o desejo de fazer algo.

Mesmo um gesto tão inútil como somar-se à proteção que recebia de sua irmã. Acunaba a espada de esta entre seus braços cruzados. O Sawar reconheceu-o imediatamente, pois ele mesmo a havia presenteado. Bainha azul era inconfudible. Izdi olhou para ele enquanto ele se aproximava, antes de levantar-se e aproximar-se dele com o semblante preocupado.

  • 6 Roma: casas e blocos de apartamentos
  • Corporativo Bara (Femsa)
  • 1642-1648. Santo Domingo de Silos. Primeiras obras conservadas[editar]
  • 5 Como decorar o pinheiro de natal como um calendário do advento

O Sawar viu que tinha passado o tempo, fazendo uma trança muito complicada. Não foi preciso dizer nada. Ele colocou as mãos sobre os ombros e deu-lhe um beijo na testa, antes de deixá-la para o lado suavemente e se aproximar da cama. A sua segunda filha, sorriu ligeiramente, com indolência inquietante, a partir de uma cadeira do outro lado da enorme cama.

Se chamava Hali e havia nascido apenas alguns minutos depois de sua gêmea. No entanto, ela havia sido a escolhida para passar pelo mesmo ritual que sua mãe. Seu olhar fez com que um arrepio recorriera ao Sawar. Ele não era nenhum covarde, e que amava sua esposa e suas filhas com loucura, mas o olho direito de sua imperatriz, e da segunda, as meninas atemorizavam algo em seu interior. O que via através da escuridão? Confrontado com pensamentos tão escuros, o Sawar optou-se por distrair sua atenção.

Olhou para Hadi. A maior, sua filha mais velha, a que mais tinha saído para ele. Nunca o diria com Hali ou Izdi frente, mas ela era sua favorita. Tão arrebatadoramente linda como sua mãe, com uma pele morena e uns cabelos pretos dignos da família imperial, um rosto de proporções perfeitas, e um lunar sob o olho esquerdo, que a favorecia muito.

Mas seu caráter era o de seu pai: belicoso e direto, pouco dado a costura e a música. Hadi adorava cavalgar, atirar com arco e ordenar marchas, ataques e saques. Estudava mapas, observava o treinamento de tropas, e que já havia liderado algumas escaramuças. Não era tão inteligente como Izdi, nem possuía o dom de Hali, mas tinha fome de mundo. Queria montar, explorar e conquistar. Estava sentada contra a cabeça, com os lençóis até a cintura. Alguém tinha colocado seus braços em repouso e as pernas se estiraban retas sob os lençóis.

Parecia que eu estava pensando com os olhos fechados no meio de uma conversa. Mesmo inconsciente, possuía um ar regio e autoritário. Mas o camisola branca e as sedas pretas com os que se deitava normalmente estavam abertos, mostrando as faixas que envolvían seu corpo desde o estômago até o pescoço. O imperador temia que fossem tantas por necessidade, e não por modéstia. “Se levanta, você vai ver.” O Sawar se sentou sobre a cama, ao lado dela, e lhe acariciou a bochecha, ao mesmo tempo que lhe retirava alguns tufos de cabelo do rosto. “Claro.” Hali respondeu com serenidade.

“a Mãe foi curado e adormecido. A assustadora falta de emoções de Hali não surpreendeu muito ao Sawar, mas sim o entristeceu um pouco para ver até onde chegava. Como se uma ferida de sua irmã gêmea e não a enfurecía nem a fazia chorar, que seria necessário para que mostrasse humanidade? O Sawar não conhecia o rito que a imperatriz tinha praticado com ela, mas se perguntou se realmente tinha valido a pena.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: