Bommeleeër, A Novela Negra De Luxemburgo

Bommeleeër, A Novela Negra De Luxemburgo

Há dois anos e meio que o caso dos 20 atentados com bomba de Luxemburgo está estacionado. Trinta anos depois dos fatos, o defensor de um dos policiais continua a apontar para a OTAN e denunciando a obstrução da lei do silêncio. Pode ser um traço do cativante Henning Mankell, mas fora porque a novela negra do Bommeleeër luxemburguês supera qualquer ficção. Entre em 23 de janeiro de 1984 a 25 de março de 1986, no Luxemburgo foram cometidos 20 atentados com bomba sem vítimas e sete roubos de explosivos e material-mail para detonarlos. Algo nunca visto neste pequeno país, um paraíso fiscal e oasis europeu em paz social e violência política.

O plano maior de segurança luxemburguesa e as primeiras autoridades, primeiros-ministros, presidentes e até o mencionado hermanísimo Príncipe Jean de Nassau, desfilaram durante anos nos tribunais, o maior processo da história judicial do país. Há oito réus, todos eles membros da Brigada Móvel da Polícia (BMG), um grupo composto por militares de elite, ou comandos desse e de outros corpos de segurança. Acima deles se adivinham algumas ordens ligadas ao “stay behind” da OTAN foi considerado crime capital a longo prazo, apesar de que os juízes têm feito o seu trabalho. O advogado luxemburguês Gaston Vogel, de 79 anos de idade, não é o que se diz, “um advogado socialmente comprometido”.

É o advogado mais conhecido do Grão-Ducado. Vogel é o provedor de dois policiais acusados de participar da colocação das bombas de este extraordinário caso. Me recebe em sua casa, no meio de uma decoração que revela o seu interesse pelas culturas orientais. Em junho de 2014, após 177 audiências, o julgamento foi suspenso à espera de que o juiz de instrução preparar as denúncias contra outros seis oficiais da polícia. Desde então, ele está à espera. Todos os prazos razoáveis foram superados e Vogel não esconde sua raiva. “Ninguém está interessado em saber a verdade.

Por que não avança? Por que nunca se investigou-se o exército? São os militares os que entendem de bombas e explosivos, não os policiais. Estou indignado: este processo dura desde 1989, passaram trinta anos e nada! Os belgas estão na mesma situação com o objetivo de Bravante. Não avançam para encontrar os assassinos: o

  • Restoration Hardware
  • 14:19 Diver Não comments
  • Da idade média ao Renascimento (Fiel a Cristo, em liberdade empregada)
  • Cartão de papelão
  • 10 Vasos pendentes
  • 2 Arquitectura hispano-islâmica

O veterano advogado confirma o “excelente” trabalho realizado pelo tribunal ao longo das 177 audiências. “Minha queixa é contra os que enviaram o processo ao tribunal criminal, contra a câmara do conselho (judiciária): este não é um caso criminoso de direito comum, é um processo político em que há outros interesses abrangidos pela omertá. O que me interessa é o governo da época. Não fizeram nada, não disseram nada. Porque estavam sob a liderança da OTAN, eles tiveram que se calar, O juiz de instrução o disse em público: “é um assunto de estado, que não deve ser revelado”.

É chamado Klein, escreva-o, já está aposentado, é um caso que me pesa e acaba muito”, diz Vogel tomando ar. No julgamento, o Príncipe Jean de Nassau declarou que naquele dia eu estava caçando na França com Henri Giscard DEstaing, filho do ex-presidente da França e turvo homem de negócios. Os autores concretos das bombas eram membros da Brigada Móvel da Polícia (BMG). Esse corpo de elite formado por militares, respondia de vigilância da residência de verão da família ducal, a Tour Sarrazine sita em Cabasson (Costa Azul).

Joana

Os comentários estão fechados.
error: