A Intimidade De Salvador Dalí Fica A Descoberto

A Intimidade De Salvador Dalí Fica A Descoberto

Dominique de Gasquet tinha 23 anos e tinha ido passar uns dias de férias para Cadaqués quando decidiu apresentar-se na casa de Dalí. Era o dia 7 de junho de 1979. Gostava de vestir-se e, naquele dia usava um shorts prateados e um boá de plumas pretas no pescoço.

bateu à porta em Portlligat e quando lhe pediram que é assim, respondeu: “Madame Paradoxo, vidente extralúcida”. Com esta apresentação e seu aspecto de anjo caído do céu, Dali autorizou a entrada. Assim começou a relação entre esta mulher francesa, que tem sido docente, cooperador e escritora, e o mundo de Dalí.

  • A antiga igreja de Notre-Dame de Royan (1874-1879)
  • tulipas eu gosto muito de você e as rosas inglesas, aquelas que se abrem e cheiram maravilhosamente
  • 7 Guerra do Iraque
  • 5 Século XXI 2.5.1 Campanhas de restauração (2001-2004)
  • 1 Culturas e holofotes americanos 6.1.1 Galeria de cerâmica pré-histórica americana
  • Na floresta verde Millán (1947).[122]
  • Tendência ao alcance de suas mãos
  • a Internet tem conseguido fornecer uma segunda juventude a algumas profissões

E este é também o início do livro Gala et Dalí. De l’autre côté du miroir, que acaba de publicar a editora francesa Robert Laffont e que amanhã à tarde, se apresenta no Cassino l’Amistat de Cadaqués. Naquele verão de 1979, foi realmente o último em que Dalí, de 75 anos, e Gala, 85, ainda gozava de boa saúde e puderam compartilhar com os seus amigos.

Paquita lhe foi explicado durante vários meses a Dominique qual era o contexto. Dalí durante aqueles últimos anos passava muito tempo com Amanda Lear, cantora travesti e amiga de grandes músicos como David Bowie, enquanto Gala procurava a companhia de jovens como Jeff Fenholt, protagonista da ópera-rock Jesus Christ Superstar.

Gala dizia que, graças ao tarô soube da morte do poeta René Crevel e adivinhou o início da Segunda Guerra Mundial. E praticou com Dominique, sessenta anos mais jovem. E tu o que você está procurando? Dominique de Gasquet fez após a sua tese sobre o amor e a morte na obra de Marguerite Duras e Mishima. Deu aulas em Ruanda e Marrocos, fez teatro de rua na Lima e Buenos Aires, e agora vive entre Paris e Cadaqués, onde veranea. Com sinceridade explica que “Arthur, depois de ter trabalhado toda a sua vida com os Dali, tinha feito prometer a suas filhas que não contasen nada de intimidade do casal”.

no entanto, ela exclui-se desse silêncio, porque “comigo foi diferente” e “além do que eu tenho conhecido também aos Salvador Dalí, particularmente a Gala”. Seu livro se soma à longa lista de pessoas que um dia pertenceram ao ambiente de Dalí e sentiram a necessidade de explicar o que havia por trás deste gênio e de um casal inesquecível. Quem procura as chaves para saber se poderia ter uma filha clandestina, não as encontrará. Apenas detalhes, “nós”, como intitulou Dali, aquele poema de juventude.

] “Factory Girl” (“Garota operária”) é outro tema country de tom bem-humorado, que parece inspirada por uma canção folclórica dos Apalaches. A obra termina com “Salt of the Earth” (“o sal Da terra”), em que se repetem os elementos de blues acústico e de country que temperam todo o elepé. Richards abre a canção, cantando o primeiro verso como voz principal.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: