Suplemento Campus 455 – Casanova: O Amor Como Uma Das Belas Artes

Suplemento Campus 455 – Casanova: O Amor Como Uma Das Belas Artes

Não importa se as colossais aventuras amatorias de Casanova foram certas ou inventadas. Nunca saberemos se foi um grande escritor, ou um grande amante. Provavelmente tenha sido as duas coisas, mas não é descabido supor que fosse apenas um ótimo escribidor capaz de inventar um personagem que ficou para a história como o amor das mulheres.

as mulheres e a Mulher, com letra maiúscula, tão inaprensible que é inútil fingir encontrá-la em uma só, porque a Mulher que ele ama Casanova é o compêndio de todas. Casanova ama tudo o que de bom têm as mulheres. Isso é o que eu distância de don Juan. Porque don Juan é um caçador. Quer conquistar a fortaleza para em seguida abandoná-la com desprezo.

  • “T. O. P” de KP & URU (eps. 40-52)
  • Tejay van Garderen (USA/BMC Racing), às 0:05
  • 3 Que tipos de presentes que você pode dar a um homem gêmeos para enamorarlo
  • Não desista depois de uma rejeição
  • Adicionar quadrinhos para meu carrinho de compras on-line eu cheia de adrenalina. Eu sou um viciado
  • Encenderás o velón vermelho com um fósforo

Casanova, em troca, adora começar uma relação, mas odeio acabar com ela. Para evitar a ruptura, urdirá artimanhas e artifícios, de forma que, quase sempre, terá que mudar de cidade para poder mudar de amor. Casanova faz felizes as mulheres enquanto está com eles. É a sua missão, a razão de sua vida.

Para isso tenha nascido filho de atores, na vida e na literatura. Como o personagem não teria podido nascer em outro lugar que não fosse Itália, e tinha que ser de Veneza. Ao longo de sua vida, Veneza é o seu verdadeiro amor, seja pela sua presença ou pela sua ausência. Quando em seu longo exílio e percorre as cortes europeias em busca de ajuda nunca deixa de sonhar com a república de veneza, com seus canais e com os seus esgotos, com seus lamas e com as suas mulheres. O ódio a Veneza chega a ser uma forma de conhecimento e, por isso, será capaz de descrever os venezianos como ninguém.

De lá você terá que fugir duas vezes, e a última fuga será a morte, o exílio e a glória literária. Sabendo que eu nunca poderia voltar escreve, no castelo do Conde de Waldenstein, História de minha vida. Assim se consola dos amores que já não pode viver fazendo-as viver para sempre nas páginas de um livro.

Não foi o primeiro a encontrar consolo na literatura, mas talvez seja o primeiro mulherengo que as mulheres dos séculos vindouros adoraram e que os homens são invejado muito tempo depois de morto. Não era rico, mas viveu como se o fosse, talvez não era bonito, mas triunfou onde os belos haviam fracassado.

Parece que era alto e loiro, de olhos azuis, como os príncipes dos contos. Não era um príncipe, mas o filho de uns pobres atores. A primeira mulher de sua vida não foi sua mãe, mas sua avó Marcia. Sua mãe, uma bela atriz, não nunca tinha tempo para ele. Talvez essa mãe ausente, que busca sem encontrá-la em todas as grandes mulheres da sua vida.

Aos 12 anos, se apaixona por Bettina, de 15. Não lhe serve de nada ser um casanova, não só porque seu amor não é correspondido, mas que tem que passar o gole de encontrá-la na cama com outro. A partir de então, no entanto, não conhecerá muitos fracassos.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: