Sexo Depois Da Ruptura

Sexo Depois Da Ruptura

�É sensato comemorar com sexo uma segunda chance no casal? Como um ataque de luxúria é o melhor modo de desafiar o dito ‘segundas partes nunca foram boas’? Há quem diga que a reconciliação tem um poderoso efeito afrodisíaco: dispara o desejo, nos torna mais atraentes e consegue orgasmos extraordinariamente intensos. Os profissionais, no entanto, se mostram cautelosos. Alguma razão deve haver, então, para que os que retomam a sua relação amorosa e sexual descrevem uma sensação semelhante à paixão de uma primeira vez.

Gonçalves. Cientistas do University College de Londres comprovaram que por fim, quando a temos de novo nos rendemos cegos de amor, e, ao menos por um instante, esquecemos de contendas ou esses episódios que empurraram a separação. O que quer dizer esta pesquisa é que, quando nos encontramos em frente ao homem ou uma mulher, por que continuamos a sentir certa atração desligam imediatamente as áreas do cérebro relacionadas com qualquer julgamento ou avaliação. Este transe cerebral, quase delirante, é passageiro, de acordo com puntualizan os cientistas, e ao cabo de um tempo, parece que os fãs ganham a sensatez.

Para então terá havido ocasião de sobra para recompor as quatro patas do sexo, que sustentam, segundo Antoni Gonçalves, a vida de toda parceiro estável e que permitirão um bom acoplamento sexual e emocional: “Iniciativa, freqüência, rituais e resolução”. Certo é que o casal não pode remendarse apenas a base de sexo, mas, não se enganem, sem ele ficaria perigosamente exposta a estímulos externos muito tentadores.

  • 23 dezembro de 2014 com muitas graças Xavier. Vou tentar isso e ver que tal
  • 10 Temporada 10: 2018-2019
  • Tenho aconselhado às mães solteiras querendo as oportunidades que tem
  • O tempo em Madrid: Nuvens e claros. 10.2°C de mínima e 19.3°C de máxima

Não faltam aqueles que colocam em dúvida a sua eficácia como trégua, advertindo do perigo de transformá-lo em uma rotina viciante muito perniciosa. Em seu ensaio ‘O sexo de reconciliação é ruim’, o psicólogo americano Seth Meyers comparado com a necessidade de cocaína de um viciado. Como é que é possível passar do rancor a paixão de um modo tão desbocada?

a Partir de então, esse perigo é dissipada em casais emocionalmente saudáveis. O orgasmo funciona neste caso como calmante para apaziguar a insegurança que provocou o tempo de separação. E, como diz Gonçalves, serviria para dar para a cama, esse fofo e retangular engenhoca, um valor afrodisíaco perene: “Voltar a desfazer a cama, fazendo amor, em vez de desfazer o amor por não fazer a cama”. Postos a recompor essa vida em comum, seria o momento de rever os hábitos e apetites sexuais. Muitos casais renovar seu repertório de carícias, beijos e práticas, às vezes porque a simples possibilidade de perder de novo para o outro ativa o cérebro, o sistema de apego que desperta o apetite sexual.

O importante é aproveitar a pulsão de este primeiro momento, para enriquecer a relação sexual, permitindo que aumentem os sentimentos positivos e deixando para trás os resquemores e ressentimentos. E se você tem que tratar de assuntos eroticamente espinhosos, deverá ser feito a partir da sinceridade e da sensatez, valorizando o que é que eu vou dizer, por que, como, quando e, acima de tudo, se realmente vale a pena.

Às vezes, em lugar de enfatizar o negativo e remexer em conflito, é muito mais positivo o reforço do prazer. O sexo não deve sobrepor-se, de qualquer modo, os motivos que provocaram a ruptura no casal. A única dúvida reside na ordem em que se enfrenta a questão: se primeiro fazer o amor e, em seguida, manter a conversa, ou o contrário.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: