O Que Haverá Depois De Essa Relação?

O Que Haverá Depois De Essa Relação?

você Tem o javascript desativado no momento. Muitas funções podem não funcionar. Por favor, reativa o javascript para obter a funcionalidade completa. Editado por regenerador, 19 de dezembro de 2014 – 20:00 . E de uma época em que a música era a rainha indiscutível do panorama musical português (anos 40), nós vamos para o lado oposto da moeda. Na década de 90, o gênero coplero constituía um estilo musical bastante minoritário e esquecido (a partir de um ponto de vista comercial).

A música que vos trago hoje, foi criada no ano de 1990. Pertence a um dos últimos discos de Marifé de Triana. Nesta década, Marifé já não tinha uma voz tão limpa e nem tão forte quanto a que tinha de jovem (quando você fica mais velho, é normal que te custe afinar, que lhe falte mais ar e não chegar a certos tons). Por isso, essas carências vogais, as recompensada com uma dose extra de interpretação, de tal forma que, em vez de ver uma cantora no palco nós estávamos vendo uma atriz que rozaba, em alguns casos, a sobreactuación.

Evidentemente, sobre gostos não há nada escrito. Para mim, essa Marifé interpretativa eu não gosto tanto. No entanto, sim eu gosto do sentido poético de suas letras e a elaboração poética. Como será a vida sem o amado? O que haverá depois de essa relação? Como se vê, trata-se de um poema impregnado de um profundo conteúdo humano, que mistura o amor com o existencial, de uma forma clara e sincera. O uso da oração subordinada temporal ” (“Quando você quer”) marca o fim da relação amorosa como algo certo, irreversível, inevitável (mais cedo ou mais tarde o amor acaba e não pode fazer nada).

  • 2016: Xi Wei Seg
  • 1980 – Chipmunk Punk
  • 11= Aresta oeste (direkt, 30.07.1980),
  • Crônica Moto2: Terol arrasa e Pol corte
  • Mel: “No Bernabéu e em Bilbao
  • Vive feliz e completamente satisfeita (Muito improvável)
  • Encontrar esse número de livros que estava procurando há anos

Evidentemente, trata-se de uma visão subjetiva, pessoal, partidário, extraída dos próprios códigos do eu poético, de acordo com a sua forma de conceber a vida (pensamentos), que está condicionada por suas experiências de vida. Haverá pessoas que estejam de acordo com esta afirmação tão rotunda, e outra que não (em função de suas circunstâncias).

O eu poético adota uma postura reflexiva e analítica sobre a experiência amorosa (“Vou fazer um balanço desse amor tão grande que os dois tivemos”). Quando o sentimento de amor para essa pessoa é tão intenso, há vezes que é impossível encontrar o adjetivo adequado. A bimembración de adjetivos sustantivados (“o novo e o diferente”) ajuda a enfatizar e projetar a incerteza para o futuro.

Por natureza, os seres humanos; atendemos a uma situação, a uma estabilidade, uma rotina. Com o passar do tempo, isso acabou por forjar nosso caráter, já que nos acostumamos a alguns valores e a cerca de estados emocionais, que fazem parte de nosso estado de “normalidade” e de nossa própria essência. A personificação do silêncio (“o silêncio não quer me ferir”) permite enfatizar as inquietações do protagonista sobre a sua luta contra a solidão, já que não sabe se será capaz de fazê-lo.

O silêncio, a falta de ruído, neste poema, está ligado à sensação de vazio e solidão. Portanto, faz parte deste linguagem simbólica. A anteposición do complemento directo “se a noite posso suportar” (hipérbato) é uma forma de dar significado ao momento de solidão. O coro se refere a uma sensação sobre o estado de espírito em relação com o passo do tempo.

Quando uma pessoa é feliz, emocionalmente está feliz, o tempo passa voando. Outro recurso bastante eficaz, que ajuda a criar drama é associar um dano anímico a um elemento físico, ou seja, misturar a dor psicológica com o dano corporal: “Serão as duras feridas na minha pele, se a sua lembrança me obcecado”.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: