O Que Acontece Quando Mandam Elas?

O Que Acontece Quando Mandam Elas?

�Que é o poder? Sob o governo de uma mulher, a Islândia tornou-se o primeiro país que elimina, por lei, a diferença salarial entre os gêneros. Independentemente de suas políticas, é inegável que cada nomeação de um novo presidente ou primeira-ministra quebra, ou pelo menos faz balançar, o fatídico teto de vidro, e isso já é um passo a mais. Mas todos os Executivos presididos por mulheres são melhores para seus congêneres?

Durante uma visita a uma escola, um aluno reclamou a chefe de Estado da Finlândia, Tarja Halonen (que esteve no cargo de 2000 a 2012), de que os homens não possam ser presidentes. E é que as crianças finlandeses haviam assumido com naturalidade que o poder era uma coisa só de mulheres. Esta história mostra a importância da chegada delas para os mais altos níveis do poder político: por um lado, ensinar as outras pessoas que podem acessar o mais alto. E eles lhes demonstra que não há nenhuma lei natural que lhes predisponga a ostentar o poder de forma hegemónica.

Embora só fosse por isso já mereceria a pena que tivesse mais mulheres ocupando chefias de Estado e de governo. Atualmente, os 193 países que existem no mundo, menos de uma vintena tem uma mulher à frente. A última a aderir a este pequeno clube foi a islândia Katrín Jakobsdóttir, líder do Movimento de Esquerda Verde, que se pôs à frente de um Governo de coalizão no final de novembro.

Mas o que são os governos liderados por mulheres melhores para seus congêneres? Outra recém-chegada ao clube, em setembro do ano passado, a neozelandesa Jacinda Ardern, que desencadeou a jacindamanía em seu país. Em seu programa eleitoral Ardern incluía a descriminalização do aborto, ainda crime na Nova Zelândia, exceto em alguns casos muito extremos.

E também a luta contra a defasagem salarial e a promoção da presença feminina em posições de poder. Haverá que esperar um tempo para ver se leva a cabo o seu programa e melhora a vida das nova zelândia euniversidades. Outro país que leva tempo com uma mulher à frente da Alemanha. A chanceler Angela Merkel, no poder desde 2005 e considerada a mais poderosa do mundo, nunca fez o menor esforço por definir-se como feminista ou defensora dos direitos das mulheres.

no entanto, em uma reunião do G7, na Alemanha, em 2015, surpreendeu a muitos ao fazer a defesa do empoderamento feminino como uma das grandes causas que tinha que promover. Esta lei foi imposta pelos social-democratas, que formaram um Governo de coalizão com o partido de Merkel.

Anteriormente, haviam conseguido entrar em vigor em 2016 a lei de cotas, que obrigava a uma centena de grandes empresas a ter ao menos 30% de mulheres em seus conselhos de administração. A regulamentação foi celebrada como um passo histórico no caminho para a igualdade. E a própria Merkel assegurou ser “fervorosamente defensora” das cotas.

no entanto, ele está questionando sua eficácia, porque não estabelece verdadeiras sanções para as empresas que não cumpram. Junto com Merkel, a britânica, Theresa May é a outra grande líder da política europeia, que recentemente tem sido muito criticada por ter nomeado porta-voz do partido para assuntos de mulher nada mais nada menos do que uma militante antiaborto.

  • O DDT dos anos 50
  • 2, O peregrino em sua pátria
  • O único que eu gosto de ti, é tudo
  • Concluirás o feitiço destapando o potenciômetro de frente para a vela continuará a queimar

Quando assumiu o cargo, em 2016, ocorreu um grande debate na imprensa britânica sobre se deveria ou não “uma vitória feminista” o que uma mulher, a segunda após Margaret Thatcher, ocupasse o número 10 de Downing Street. E quase todos pareciam estar de acordo em que não era. Mas talvez, como tweetou com ironia uma ativista feminista: “É uma vitória para as mulheres que possam chegar ao poder e exercê-lo de uma forma tão incompetente e desastrosa como os homens”.

A Construir custa-lhe muito trabalho para ganhar a confiança das Winx, mas muito mais a ganhar a Layla. Tem o cabelo castanho escuro e longo recolhido em uma trança que lhe cai pelas costas. Também é um pouco moreno, como Layla, mas menos do que ela. No início de seu surgimento mudou o nome para Ophir para conhecer Ela melhor, pois mesmo que ela não quer se casar com uma desconhecida) e o que consegue é se apaixonar por ela profundamente.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: