O Mesmo, Ou Seja, Deixou A Iashodhara

O Mesmo, Ou Seja, Deixou A Iashodhara

], ou seja, do celibatário (em latim caelebs, caelibis). No mundo ocidental contemporâneo, o conceito de celibato tem sido frequentemente associado à Igreja católica. Por sua parte, Oriente conhece este estado pela Igreja ortodoxa, o budismo e o hinduísmo. As opções celibatários de pensadores, escritores, artistas ou líderes são menos conhecidas do que a dos religiosos, mas não por isso menos significativas. As opções celibatários eram já conhecidas na Índia através do hinduísmo com o surgimento dos ascetas e anacoretas e aqueles que deixavam o mundo material para procurar a explicação transcendental da existência através da contemplação.

Este esquema pode ser comprovada nos testemunhos de Siddharta Gautama (560 e 480. Se bem que o jovem brahmana não continuou o caminho dos anacoretas hindus, sem dúvida, estes influenciaram muito na espiritualidade que dele se seguiria. O monge budista é o que segue o caminho do Buda, e por isso busca o desapego como método de realização plena. ] e nesse sentido, o casamento não está contemplado dentro desse caminho de libertação. O mesmo, ou Seja, deixou a Iashodhara, com a qual havia se casado com a idade de 16 anos e com quem teve um filho, Rahula, que depois se juntaria aos seus ensinamentos como bonzi.

O celibato budista teve suas falas contemporâneas por parte de movimentos seculares em países de maioria budista. Além de hindus e gregos, são escassos os povos que deram valor ao celibato e, como aconteceu com o judaísmo bíblico, este era visto mais como uma maldição divina. Esta idéia judaica passaria igual ao islã que é fiel à reprodução da vida, como uma lei divina, de acordo com os mandamentos antigos, até mesmo através da poligamia, praticada em muitos países.

  • A vingança do Conde Brocken
  • 1987 – The Chipmunk Adventure
  • 100.- Porque o mundo de Jaime Hernandez é mágico
  • 1966 – Raphael: “Eu sou aquele”
  • 1 Número de espécies por países

] O celibato cristão tem várias dimensões, entre elas o celibato eclesiástico e o celibato monástico. Nas comunidades cristãs dos primeiros séculos de nossa era, não foi pedida nem bíblica nem tradicionalmente celibato como estado obrigatório para a condição do sacerdote. Como um movimento nascido no seio do judaísmo, o cristianismo vê a reprodução humana como preceito divino, para o gênero humano, mas não para cada indivíduo. Se para o judaísmo bíblico a não procriação era sinal de maldição ou castigo, para o cristianismo, essa perspectiva pode ser assumida a partir de uma outra posição, quando a procriação não é por opção religiosa.

] Ao contrário do Buda, Cristo não exige o celibato como meio obrigatório para alcançar a meta divina. Disseram-lhe seus discípulos: Se assim é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar. Então ele lhes disse: nem todos são capazes de receber isso, mas só aqueles a quem é dado.

Porque há eunucos que nasceram assim do seio materno, há eunucos feitos pelos homens, e há eunucos que se fizeram tais a si mesmos pelo Reino dos Céus. Neste elemento que quebra completamente a tradição semítica, muitos biblistas vêem um convite de Cristo para o celibato perpétuo para dedicar-se ao Reino dos Céus.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: