O Cinema Português Volta A Sorrir

O Cinema Português Volta A Sorrir

Estas são as comédias que vêm. Todos os homens sois iguais, Boca-a-Boca, O amor prejudica seriamente a saúde e Entre as pernas. Esta não poderemos vê-la até o ano que vem. Outra das que estão prestes a chegar, no dia 17 de setembro, é Escola de sedução, um filme de Javier Balaguer, com que Victoria Abril volta à comédia. Vai acompanhada do engenhoso Xavier Veiga, que foi apresentador de O clube da comédia, e de um elenco integrado por Gorka Aguinagalde, Neus Asensi, Pepe Viyuela, Emilio Gutiérrez Cabral, Isabel Ordaz e Carmen Machi, entre outros. Além disso, por esta fita passeiam por personagens do mundo do espetáculo como Sara Baras, Maruja Torres, Lorena Verdun, Ana Garcia Obregón, Boris Izaguirre, Fernando Schwartz, Iñaki Gabilondo e até o próprio Alejandro Sanz, como colaboradores de exceção.

As linhas infinitas do mundo desenharam o seu perfil: sempre tento ser um homem agradável e nem sempre o foi, sempre tentou ajudar e nem sempre o ajudou, sempre quis querer e poucas vezes odiava. Tantas vezes repetiu “um homem satisfeito é um homem velho”, e muitas vezes foi velho.

  • 1 Histórico de publicações
  • Laura, a farmacêutica maníaco da ordem e da limpeza
  • Se o homem é novato na cama
  • o Que talento você gostaria de ter
  • Se o dia tem 24 horas, eu me passo 16 pensando em você e as outras oito sonhando contigo
  • O mexicano já dirigiu sete anos no futebol mexicano
  • Oi Pilar. Será que Me engano se transmitir a sensação de ser uma pessoa doméstica

Não foi sempre generoso com os humildes e não sempre grato ao servo e ao sapateiro; respeitou o poderoso e, mesmo assim, sempre foi bom. Conhecia a vida de todos os habitantes de Pocaro, embora não morava lá há mais de seis meses. Sabia que Juanita, em sua juventude, tinha sido uma mulher bonita, que calçava sapatos de salto de ajuga e dançou com os garçons mais atraentes e poderosos da espanha.

Sabia que Antonio tinha recebido um tiro de um companheiro de caça com o que sua família havia disputado as terras. Sabia que Vicente tinha tido uma infância difícil. E assim, um a um, até os 100 habitantes, que tinha aquela cidade estremenha, onde tudo sabia ao sol e a madeira queimada. Era o sapateiro do povo e lia nas formas que deixam nossos pés nos sapatos. Era uma vez um sapateiro que não confiava muito em seu trabalho. Uma noite deixou uns assuntos sem terminar para o dia seguinte e quando acordou pela manhã, descobriu com espanto que estava tudo terminado. Continuou acontecendo, noite após noite, até que decidiu descobrir o que estava acontecendo.

Se escondeu depois de um vaso com rosas e viu a dois duendes que entravam por um buraco na parede e encaramandose à sua mesa reorganizaban tudo o que o deixava. Foi possível verificar que os seus nomes eram Felipe e Afonso, e ao terminar estavam indo embora, novamente sem fazer ruído.

Assim foi como conseguiu ganhar a confiança de mais e mais pessoas a cada dia, até que aquele humilde sapateiro pôde sustentar por se mesmo. Abre-Se a porta para a fantasia, a aventura, a possibilidade de ser algo ou alguém que apenas sonhamos durante esses momentos em que os sonhos parecem realidade. Abre-Se a possibilidade de conhecer amigos incríveis que estarão ao seu lado quando você acha que acabou a aventura. A possibilidade de odiar os inimigos que se colocam entre a espada e a parede, enquanto sorriem dessa maneira que só eles sabem fazer.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: