Krasny Bor, A Batalha Mais Dura Da Divisão Azul

Krasny Bor, A Batalha Mais Dura Da Divisão Azul

Há setenta anos, em 10 de fevereiro de 1943, cerca de 5.600 homens da Divisão Azul fizeram contra 44.000 soldados, quase uma centena de tanques e inúmeras peças de artilharia de 55 Exército da União Soviética. Foi a batalha de Krasny Bor, o combate mais duro dos espanhóis no ‘Ostfront’. João Serrano Mannara, veterano granadeiro do 262º revolução ‘Pimentel’.

Permaneceu até 1944, na União Soviética, mas não lutou na Krasny Bor. Sete décadas depois, apenas restam pouco mais de 400 veteranos de 45.000 homens que lutaram na Divisão Azul. E aquele povo nos arredores de São Petersburgo, a antiga Leningrado, restam muitos menos: houve 3.645 baixas e 300 capturados no campo de batalha, um milhar de mortos só o primeiro dia.

Em Leningrado morreram mais de um milhão de civis durante os 900 dias que durou o cerco da Wehrmacht, de acordo com alguns estudos, embora as fontes oficiais russas calculados pouco menos de 700.000, sem contar a marcha de refugiados. A 250. Einheit spanischer Freiwilliger chegaria ao setor de Krasny Bor no outono de 1942. Em janeiro do ano seguinte, enquanto caía o alemão kessel de Stalingrado, o exército soviético conseguiu conquistar um pequeno corredor por terra até Leningrado.

  • Janine e Dominique Sourdel,[53] Dictionnaire historique de l’islam, 2004
  • Dez filmes românticos que você talvez não tenha visto
  • 91 ° templo.- Porque Taniguchi e Tezuka ensinam aproveitando
  • Apelidos: A bollera mística
  • 8 Não acoses
  • 22 outubro, 2007 | 11:41
  • 1 Por que os métodos tradicionais falham

A operação ‘Estrela Polar’, seguida de ‘operação Faísca’, deveria ampliar este caminho e quebrar rapidamente as linhas da Divisão Azul para envolver o 18 Exército alemão. A ‘Blau division’ o evitou. Luis Galego, sargento-mor de Engenheiros no Rádio Grupo de Telecomunicações. Como Serrano Mannara, não esteve em Krasny Bor, mas suas experiências, materializadas em feridas de guerra, ilustram aqueles tempos.

Em setembro de 1942, umas rajadas lhe apanharam “como puderam pillar para o outro” e ficou preso entre duas linhas. Voltou para a Espanha com três operações, duas delas sem anestesia. Foi alguns meses antes de Krasny Bor. Passadas as seis da manhã daquele 10 de fevereiro de 1943, a artilharia soviética começou sua descarga sobre as posições 262 do regimento da Divisão Azul.

Não pararia até um par de horas depois. Ato seguido, quatro divisões do Exército Vermelho, acompanhados por carros KV-1 e T-34, lançaram-se sobre as castigadas linhas espanholas. Adolf Hitler entrevista com Muñoz Grandes, a cujo comando estava a Divisão Azul. O objetivo soviético era quebrar a frente, em pouco tempo e envolver os alemães. O inverno em são petersburgo é muito frio e escurece prontísimo. No entanto, a Stavka fracassou: a união provocado pelo fogo artilheiro sobre a neve pegou os carros de combate e os sobreviventes do regimento opuseram-se um feroz resistência até o final.

Os soldados espanhóis se reagruparam, como puderam para se defender, mesmo se implantados em crateras abertas pela artilharia russa. Entre as façanhas, que se recordam, por exemplo, a do divisionario que explodiu a mina que colocou em um caminhão pesado. Apesar do ataque, duas divisões alemãs situadas no flanco direito da Divisão Azul não vieram em socorro porque esperavam um ataque que nunca aconteceu. Entre elas estava a 4 Polizei Division das Waffen SS. Passado o meio-dia, o Exército Vermelho conseguiu romper as linhas por três zonas e tomar quase inteira Krasny Bor.

no entanto, os restos da Divisão Azul ainda resistir ao sudeste do povo e do entorno do rio Ishora. Embora as tropas soviéticas conseguiram penetrar três quilômetros, seu quartel-general mandou parar o avanço ao anoitecer. Os alemães haviam enviado reforços e a ruptura da frente era inviável tão tarde.

O Exército Vermelho tinha tomado Krasny Bor, mas foi uma vitória pírrica. Os 11.000 mortes na operação ‘Estrela Polar’ somem mais de um milhão de soldados soviéticos mortos em toda a batalha de Leningrado e a frente manteria estável, por mais um ano. Um rótulo pendurado na Fundação Divisão Azul lembra a seus 4.954 mortes e 12.000 baixas durante a campanha.

Joana

Os comentários estão fechados.
error: